Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Nas prévias do PSDB, deputada anuncia apoio a Bolsonaro e saída do partido

Episódio expõe divisão interna da legenda e mostra ala bolsonarista tucana

Lauriberto Pompeu, Eduardo Gayer e Marcelo de Moraes, O Estado de S.Paulo

21 de novembro de 2021 | 14h14

BRASÍLIA - A deputada federal Mara Rocha (PSDB-AC) protagonizou uma confusão durante evento das prévias do PSDB neste domingo, 21, em Brasília. Quando estava na fila de votação para escolher o candidato do partido em 2022, a deputada brigou com o presidente do PSDB do Acre, Manoel Pedro de Souza Gomes, e anunciou que sairia da legenda e apoiaria a reeleição do presidente Jair Bolsonaro.

O episódio expõe um posicionamento que alguns parlamentares do PSDB têm preferido manter nos bastidores, de apoio ao governo federal. O comando da legenda definiu que o partido é de oposição, mas a maior parte da bancada na Câmara ainda vota de maneira favorável aos projetos do Palácio do Planalto.

No evento do partido, Mara afirmou que o presidente do PSDB no Acre estava pedindo votos para um "falso tucano". E disse: "Sou Bolsonaro mesmo, vou para o PL". O PL é o partido que deverá abrigar o projeto de reeleição de Bolsonaro.

Todo o processo das prévias tucanas foi marcado por divisões internas da legenda. Durante a campanha, os dois governadores que são favoritos para ganhar a disputa, João Doria e Eduardo Leite, acabaram expondo uma divisão interna do PSDB e trocaram acusações, grande parte delas inclusive sobre apoio ao governo Bolsonaro. Ambos declararam voto ao atual presidente em 2018, mas hoje são críticos ao governo federal.

Apesar de apoiar Bolsonaro, a deputada disse que votou em Leite para ganhar as prévias. A parlamentar afirmou ter divergências com Doria por causa da eleição à Prefeitura de Rio Branco (AC) em 2020. Mara reclamou que o candidato tucano, Minoru Kimpara, não conseguiu mais apoio do partido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.