Márcio Fernandes/Estadão
Márcio Fernandes/Estadão

Morre Levy Fidelix, fundador do PRTB, aos 69 anos

Político conhecido como o 'candidato do Aerotrem' disputou eleições pela Presidência da República, governo e prefeitura de São Paulo; causa da morte não foi informada

Davi Medeiros, O Estado de S.Paulo

24 de abril de 2021 | 02h28
Atualizado 24 de abril de 2021 | 15h18

Levy Fidelix, fundador e presidente nacional do Partido Renovador Trabalhista Brasileiro (PRTB), morreu na noite de sexta-feira, 23, aos 69 anos. A informação foi confirmada pela diretoria do PRTB, que publicou um comunicado nas redes sociais do político. A causa da morte não foi divulgada. O político estava internado desde março em um hospital de São Paulo.

“É com profunda dor e pesar que o PRTB, por sua diretoria, comunica o falecimento do nosso Líder, Fundador e Presidente Nacional Levy Fidelix, ocorrida nesta data na cidade de São Paulo”, escreveu o partido.

O presidente Jair Bolsonaro prestou sua homenagem a Fidelix por meio de seu perfil no Facebook. "A morte é sempre um momento difícil para todos. Que as boas lembranças de Levy Fidelix permaneçam presente entre nós", diz a mensagem.

- A morte é sempre um momento difícil para todos. Que as boas lembranças de Levy Fidelix permaneçam presente entre nós. - Expresso meus sinceros pêsames aos familiares e rogo a Deus que o receba. Publicado por Jair Messias Bolsonaro em  Sábado, 24 de abril de 2021

 

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, filiado ao PRTB, também homenageou o político, a quem chamou de "amigo". "O movimento conservador brasileiro perde um dos seus principais representantes", escreve na mensagem. 

Trajetória política

Também conhecido como “candidato do Aerotrem”, Fidelix começou sua carreira política em 1986, quando fundou o PL (Partido Liberal) e disputou as eleições para deputado federal por São Paulo. Antes, trabalhou como jornalista para os jornais Correio da Manhã e Última Hora. Ele também fundou três revistas e foi âncora de um programa sobre informática na TV Bandeirantes e no SBT. 

Apesar dos mais de 30 anos na política, Levy Fidelix nunca foi eleito para nenhum cargo, mesmo tendo concorrido em 14 pleitos no total. Ele recebeu votações irrisórias tanto em 1986, quando disputou para deputado federal pelo PL, quanto em 1989, quando mudou-se para o PTR (Partido Trabalhista Renovador) e concorreu ao mesmo cargo.

Entre 1992 e 1994, Fidelix fundou o PRTB para se candidatar à Presidência da República, mas acabou com o registro barrado por conta da legislação eleitoral. Depois, concorreu à Prefeitura de São Paulo, em 1996, quando apresentou pela primeira vez a famosa proposta do Aerotrem — um trem de alta velocidade que, segundo ele, seria a solução para o problema de mobilidade urbana na capital.

Em 1998 e 2002, tentou ser governador do Estado de São Paulo, mas foi derrotado com menos de 1% dos votos válidos em ambas as ocasiões.  O mesmo aconteceu em 2004, quando se candidatou a vereador na capital paulista, e em 2006, quando tentou o cargo de deputado federal.

Levy Fidelix participou da corrida presidencial nas eleições gerais de 2010 e 2014. Nesta última ficou conhecido por suas participações nos debates entre candidatos transmitidos pela TV, que, em vários momentos, renderam declarações polêmicas, principalmente falas de cunho homofóbico. Também foi o pleito em que teve sua votação mais expressiva, recebendo mais de 440 mil votos, o equivalente a 0,43% dos votos válidos.

Sua última participação em eleições foi em 2020, quando tentou a Prefeitura de São Paulo. Levy deixa sua esposa, Aldineia Rodrigues Cruz, e três filhos.

Repercussão

Além de Mourão, aliados e amigos de Levy Fidelix foram às redes sociais lamentar a morte do político. Onyx Lorenzoni, ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, prestou condolências à família do político em seu perfil no Twitter: "Que Deus conforte o coração da família de Levy Fidelix e o receba em toda a sua bondade".

“Que Deus conforte toda a família desse grande líder nacional”, escreveu o prefeito de Sorocaba, Rodrigo Manga (Republicanos), em seu perfil no Instagram.

O deputado federal por Mato Grosso e vice-líder do governo na Câmara, José Medeiros (Podemos), prestou condolências via Twitter. “Meus sentimentos à família do presidente do PRTB, Levy Fidelix”, escreveu.

A ex-secretária de Políticas de Promoção da Igualdade Racial do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Sandra Terena, descreveu Fidelix como “pioneiro do conservadorismo no Brasil” ao lamentar sua morte no Twitter. O marido de Sandra, o blogueiro bolsonarista Oswaldo Eustáquio, era próximo de Levy.

Renata Abreu, deputada federal e presidente nacional do Podemos, também foi ao Twitter prestar a sua homenagem ao político. "Um homem que muito contribuiu para a política nacional com suas ideias e defesa aos pequenos partidos", escreveu na mensagem.

O deputado federal Kim Kataguiri (DEM-SP) compartilhou vídeo de um encontro com Fidelix e afirmou que o político "deixará boas lembranças".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.