Eduardo Bolsonaro/Twitter
Eduardo Bolsonaro/Twitter

Indicado para embaixador nos EUA, Eduardo Bolsonaro se reúne com o presidente sábado e domingo

Deputado não deu declarações à imprensa em nenhuma das ocasiões. Apoiadores do presidente fizeram críticas à indicação do filho de Bolsonaro para o posto diplomático

Breno Pires, O Estado de S.Paulo

14 de julho de 2019 | 19h02

BRASÍLIA - O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) se reuniu pela segunda vez neste fim de semana no Palácio da Alvorada com o pai, o presidente Jair Bolsonaro, dias após o mandatário da República anunciar que pretende indicá-lo para a Embaixada do Brasil nos Estados Unidos. Eduardo passou cerca de 40 minutos no Alvorada acompanhado da mulher. O senador Flavio Bolsonaro (PSL-RJ) também acompanhou o encontro.

Tanto no sábado como no domingo, o deputado não falou com imprensa nem com o público que fica do lado de fora da residência presidencial. Do lado de dentro, Jair Bolsonaro está se recuperando após ter extraído um dente na tarde da sexta-feira e, até agora, não deixou o palácio neste fim de semana.

A possibilidade de Eduardo assumir um dos principais postos da diplomacia foi criticada, no sábado, por apoiadores do presidente, como o escritor Olavo de Carvalho e a deputada estadual de São Paulo Janaína Paschoal (PSL).

O guru do bolsonarismo disse que seria um "retrocesso" e a "destruição" da carreira do deputado. A deputada, autora do pedido de impeachment de Dilma Rousseff, disse não questionar a capacidade do "03", nem a possibilidade jurídica, mas afirmou que, por ter sido o deputado mais bem votado da história, ele teria uma posição de liderança e precisaria exercer esse papel.

"Eduardo tem muito a fazer na Câmara e na presidência estadual do PSL. Sei que o convite é muito tentador. Mas o certo é recusar. Ele assumiu responsabilidades no Brasil. Precisa cumprir. Basta agradecer a deferência e declinar", disse a deputada.

Ao Estado, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), fez ressalvas à possível indicação, mas disse que iria "esperar a decisão do presidente." "Ele (Eduardo Bolsonaro) é um colega, não vou ficar criticando um colega. Tenho dúvidas se o Eduardo pode ter uma nomeação que não seja de ministro", comentou Maia, também no sábado.

Em uma rede social no sábado, Bolsonaro remeteu ao tema da indicação do filho à embaixada em Washington, de maneira indireta, ao postar um vídeo do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, elogiando o Eduardo Bolsonaro. "Vejo aqui na audiência o filho do presidente, que tem sido fantástico", disse Trump no vídeo, em uma entrevista coletiva realizada em março, na Casa Branca.

Na noite da sexta-feira, a Associação e Sindicato dos Diplomatas Brasileiros (ADB) disse, por meio de nota, que "embora ciente das prerrogativas presidenciais na nomeação de seus representantes diplomáticos, a ADB recorda que os quadros do Itamaraty contam com profissionais de excelência, altamente qualificados para assumir quaisquer embaixadas no exterior". A associação reúne mais de 1.500 funcionários da carreira do Itamaraty.

Comissão de Relações Exteriores do Senado pode rejeitar a indicação

Conforme o Estado mostrou no sábado, a possível indicação de Eduardo Bolsonaro pode enfrentar resistência de integrantes da Comissão de Relações Exteriores do Senado - responsável por analisar o nome. Dos 17 senadores, seis disseram ao Estado ser contrários, outros sete afirmaram ser favoráveis, três preferiram não comentar e apenas um não se manifestou.

O principal argumento dos que rejeitam a indicação é a falta de experiência e de perfil para assumir a embaixada americana, considerada a mais representativa do País no exterior.

"Para assumir a embaixada de Washington, precisa de muitos outros atributos, como no mínimo 30 anos de carreira, e não apenas falar bem o inglês", afirmou o senador Marcos do Val (Cidadania-ES). "Às vezes, parece que Bolsonaro brinca de ser presidente e isso é muito sério", disse a senadora Mara Gabrilli (PSDB-SP).

De acordo com os registros da Comissão de Relações Exteriores, apenas uma indicação presidencial para embaixador foi rejeitada ao longo da história. Em 2015, a então presidente Dilma Rousseff enviou o nome de Guilherme Patriota, irmão do ex-chanceler Antônio Patriota, para a vaga de embaixador na Organização dos Estados Americanos (OEA), mas ele não teve aval da maioria dos senadores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.