Ludovic Marin/AFP
Ludovic Marin/AFP

Incomodado com críticas a discurso na ONU, Bolsonaro reage: 'Queriam alguém para falar abobrinha?'

Presidente afirmou ter assistido a própria fala novamente e que não considerou suas posições agressivas

Julia Lindner , O Estado de S.Paulo

26 de setembro de 2019 | 10h16

BRASÍLIA - O presidente Jair Bolsonaro demonstrou incômodo com as críticas que recebeu por seu discurso na Assembleia Geral das Nações Unidas, na terça, 24. Ele afirmou ter assistido a própria fala novamente e que não considerou suas posições agressivas. 

"Queriam alguém lá que fosse para falar abobrinha, enxugar gelo e passar o pano?", questionou. "Não fui ofensivo com ninguém. Assisti ao que eu falei, seria muito mais cômodo eu fazer um discurso para ser aplaudido, mas não teria coragem de olhar para a cara de vocês aqui", disse a apoiadores no Palácio da Alvorada nesta quinta, 26.  

Para Entender

'Estadão' por dentro da ONU

Conheça os bastidores do complexo das Nações Unidas, em Nova York

Em sua estreia na Assembleia-Geral da ONU, Bolsonaro fez um discurso no qual classificou como “falácia” a tese de que a Amazônia “é patrimônio da humanidade” e criticou o que chamou de “espírito colonialista” de países que recentemente questionaram o compromisso do País com a preservação ambiental. Durante sua fala de 32 minutos, recheada de referências religiosas, Bolsonaro surpreendeu ao não adotar uma retórica conciliatória. Ele reforçou na tribuna internacional o discurso mais ideológico ao afirmar que o Brasil esteve “à beira do socialismo” e atacar adversários políticos e países como Cuba e Venezuela. 

"Foi um discurso patriótico, diferente de outros presidentes que me antecederam, que iam lá para ser aplaudidos e nada além disso", afirmou Bolsonaro nesta quinta.

Bolsonaro também voltou a questionar a posição de liderança do indígena cacique Raoni, nesta quinta-feira, 26, e afirmou que ele "não fala a nossa língua".

Para Entender

Presidentes brasileiros na ONU

Meio ambiente, multilateralismo e paz: relembre as estreias dos presidentes brasileiros na Assembleia-Geral

Congresso

O presidente admitiu que o governo tem enfrentado algumas derrotas no Congresso, mas disse considerar "normal na democracia", pois "não pode impor sua vontade em tudo". 

"Muitas pautas que nos interessam estão avançando no parlamento e outras não, o que é normal da democracia. Não posso impor a minha vontade em tudo, até porque se um dia alguém com sentimento de ditador chegar no meu lugar vai querer impor sua vontade também. O parlamento tem um freio necessário, às vezes a gente não concorda, mas tem que respeitar", disse Bolsonaro.

Ele ressaltou, ainda, que os poderes são independentes, mas que mantém diálogo com os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli. "Cada chefe é responsável por conduzir o seu poder, e eu converso com todos. Estou tranquilo com a minha consciência que estou buscando fazer o melhor para o meu País", acrescentou.

Exames

Antes de seguir para compromissos no Palácio do Planalto, o presidente passou por exames no Hospital da Força Aérea de Brasília (HFAB). Ele não quis responder perguntas de jornalistas.

Ontem, o porta-voz da Presidência da República, general Otávio Rêgo Barros, havia informado que o presidente faria nesta quinta-feira uma ecografia e exame de sangue, mas no Palácio do Planalto. No entanto, Bolsonaro realizou os exames no hospital. O presidente se recupera de cirurgia feita no último dia 8, em São Paulo, para correção de uma hérnia incisional.

Tudo o que sabemos sobre:
Jair BolsonaroAssembleia Geral da ONU

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.