Isac Nóbrega/PR e Dida Sampaio/Estadão
Isac Nóbrega/PR e Dida Sampaio/Estadão

Bolsonaro diz que é preciso respeitar Raoni, mas ele 'não fala a nossa língua'

'Ele não fala pelos índios. Cada tribo tem um cacique', disse o presidente

Julia Lindner, O Estado de S.Paulo

26 de setembro de 2019 | 10h31

BRASÍLIA - Após criticar o cacique Raoni Metuktire na Assembleia Geral das Nações Unidas, o presidente Jair Bolsonaro voltou a questionar a posição de liderança do indígena, nesta quinta-feira, 26, e afirmou que ele "não fala a nossa língua". Para Bolsonaro, Raoni não expressa os anseios de todos os índios.

"Raoni fala outra língua. Não fala a nossa língua. É uma pessoa que está com uma certa idade avançada, vamos respeitá-lo com cidadão. Mas ele não fala pelos índios. Cada tribo tem um cacique", disse o presidente a apoiadores na saída do Palácio do Alvorada. Ele demonstrou incômodo com críticas a seu discurso na ONU. "Levei uma índia lá (para a Assembleia Geral), a Ysani Kalapalo, não existe mais o monopólio do Raoni", afirmou.

Durante a fala na ONU, Bolsonaro já havia falado que "o monopólio do senhor Raoni acabou". Ele também enalteceu Ysani Kalapalo como alguém com "prestígio das lideranças indígenas interessadas em desenvolvimento, empoderamento e protagonismo". No entanto, a escolha de Ysani como representante foi questionada, em carta, por 16 povos habitantes do Xingu. Leia mais sobre a youtuber.

Hoje, Bolsonaro relembrou um outro documento que leu durante o seu discurso na ONU de indígenas que, de acordo com ele, "querem sair da escravidão, esmola de ONG, Bolsa Família e cesta básica". "A carta que eu li é muito importante e não foi dado o destaque na mídia. É uma carta dos índios produtores rurais", disse o presidente.

Bolsonaro falou com apoiadores na saída do Palácio da Alvorada, pela manhã. Antes de seguir para compromissos no Planalto, o presidente passou por exames no Hospital da Força Aérea de Brasília (HFAB). Ele não quis responder perguntas de jornalistas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.