Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Forças Armadas trabalham para manter paz e estabilidade do País, diz ministro da Defesa

Fernando Azevedo e Silva divulgou nota um dia depois do presidente Jair Bolsonaro discursar em frente ao QG do Exército em ato que pedia intervenção militar

Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

20 de abril de 2020 | 19h00

BRASÍLIA - Um dia após Jair Bolsonaro discursar em frente ao QG do Exército em ato que pedia intervenção militar, o ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, divulgou nota nesta segunda-feira, 20, para dizer que as Forças Armadas são "sempre obedientes à Constituição".

"As Forças Armadas trabalham com o propósito de manter a paz e a estabilidade do País, sempre obedientes à Constituição Federal", afirmou."O momento que se apresenta exige entendimento e esforço de todos os brasileiros".

O Estado apurou que o objetivo foi afastar qualquer especulação de que medidas antidemocráticas estariam sendo planejadas pelo governo com o apoio das Forças Armadas. Mais cedo, o ministro participou de teleconferência com os comandantes do Exército, Marinha e Aeronáutica.

De acordo com o ministro nenhum país estava preparado para o combate à pandemia da covid-19. "Essa realidade requer adaptação das capacidades das Forças Armadas para combater um inimigo comum a todos: o coronavírus e suas consequências sociais", disse o ministro."É isso o que estamos fazendo", completou.

Como o Estado mostrou, o presidente foi alertado por militares do governo de que sua participação no ato deste domingo, 19, convocado para defender o fechamento do Congresso e do Supremo Tribunal Federal, não só pegou mal como expôs as Forças Armadas a uma situação constrangedora. Houve pedidos para que ele recuasse e se explicasse à população.a cúpula militar convenceu o presidente a modular o tom. Hoje, ele disse, na entrada do Palácio da Alvorada, que defende a democracia e a liberdade "acima de tudo".

Neste domingo, em cima da caçamba de uma caminhonete, diante do quartel-general do Exército e se dirigindo a uma aglomeração de apoiadores pró-intervenção militar no Brasil, Bolsonaro afirmou que "acabou a época da patifaria" e gritou palavras de ordem como "agora é o povo no poder" e "não queremos negociar nada".

"Nós não queremos negociar nada. Nós queremos ação pelo Brasil", declarou o presidente, que participou pelo segundo dia seguido de manifestação em Brasília, provocando aglomerações em meio à pandemia do coronavírus. "Chega da velha política. Agora é Brasil acima de tudo e Deus acima de todos."

Além de defender o governo e clamar por intervenção militar e um novo AI-5 —o mais radical ato institucional da ditadura militar (1964-1985), que abriu caminho para o recrudescimento da repressão— os manifestantes aglomerados em frente ao quartel-general do Exército defenderam o fechamento do STF e do Congresso.

A fala de Bolsonaro e sua participação nesse ato em Brasília, no Dia do Exército, provocaram fortes reações no mundo jurídico e político.

Nesta segunda-feira, o procurador-geral da República, Augusto Aras, solicitou ao STF a abertura de um inquérito para apurar "fatos em tese delituosos envolvendo a organização de atos contra o regime da democracia participativa brasileira".

Aras não cita especificamente o presidente Jair Bolsonaro, que participou de um ato em Brasília em que se pedia a intervenção militar, mas justificou o pedido ao STF dizendo que os atos foram cometidos "por vários cidadãos, inclusive deputados federais". Cabe ao Supremo investigar pessoas com foro, como deputados.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.