Nilton Fukuda/ Estadão
Nilton Fukuda/ Estadão

Fizemos coisas que se esperava em 20 anos em dois, diz Temer

Empenhado em devolver aos empresários parte do crédito pelo desempenho da economia no ano eleitoral, Temer disse que o País deveria se orgulhar de suas atuais taxas de juros e inflação

O Estado de S.Paulo

07 Maio 2018 | 14h30

O presidente Michel Temer abriu o Congresso da Associação Brasileira de Supermercados  (Apas)  nesta segunda-feira, 7, com um aceno à iniciativa privada e autoelogios ao seu governo. "O (Henrique) Meirelles disse em seu discurso que nós fizemos em dois anos o que era para ter sido feito em oito anos (...). Mas com toda a modéstia de lado, eu acho que em dois anos fizemos o que se esperava em 20 anos", disse Temer.

+ Temer diz 'lamentar' investigação contra coronel Lima, apontado como intermediário de propinas

Empenhado em devolver aos empresários parte do crédito pelo desempenho da economia no ano eleitoral, Temer disse que o País deveria se orgulhar de suas atuais taxas de juros e inflação. Temer comparou o Brasil à Argentina, lembrando que a inflação no país vizinho atinge a marca de 25%, enquanto a taxa de juros está em 40%.

O presidente ressaltou o fato de não ter aumentado impostos desde que assumiu. E mandou um recado aos críticos do governo. "Nós temos dois anos de governo e não houve aumento de impostos. Quando chegamos, falava-se muito na CPMF, e nós nem tocamos no assunto", disse Temer, em referência à Contribuição Provisória sobre a Movimentação Financeira, cuja recriação vinha sendo estudada no fim da gestão da ex-presidente Dilma Rousseff.

+ Bancos internacionais veem estagnação de candidatos 'reformistas'

"O Brasil tem que se orgulhar daquilo que está acontecendo no nosso Brasil. Mas isso não se deve apenas à ação do governo. Até acho que é menos à ação do governo e mais à ação da iniciativa privada", disse, acrescentando que os supermercados, em especial, servem de termômetro para a economia.

"Os senhores podem se preparar para vender cada vez mais. Porque a confiança na economia está de volta. O Brasil, com todas as dificuldades, retomou o caminho do crescimento. E não é qualquer crescimento. É um crescimento responsável. É um crescimento que se sustenta no tempo. Como disse o Meirelles, nós não produzimos medidas populistas. Produzimos medidas responsáveis", concluiu Temer.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.