Marcelo Camargo/Agência Brasil
Marcelo Camargo/Agência Brasil

Exército defende declarações de general Villas Bôas no Twitter

Comandante é 'autoridade responsável por expressar o posicionamento institucional', afirma nota da Força

Isadora Peron, O Estado de S.Paulo

04 Abril 2018 | 21h23

BRASÍLIA - O Exército brasileiro defendeu nesta quarta-feira, 4, as manifestações do general Eduardo Villas Bôas na véspera do julgamento do habeas corpus do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Pelo Twitter, ele afirmou que a instituição não aceitava “impunidade" e que estava atenta "às suas missões institucionais".

+ AO VIVO: STF analisa habeas corpus de Lula

“As palavras do general Villas Bôas deixam claro sua preocupação com o País, expressando ideias já abordadas em diversas outras ocasiões”, disse o Exército em nota enviada ao Estado.

O texto também afirmou que “o Comandante do Exército é a autoridade responsável por expressar o posicionamento institucional da Força e tem se manifestado publicamente sobre os temas que considera relevantes”.

+ MPF cobra explicações de ministro da Defesa sobre fala de general

+ Manifestação contra Lula em Brasília abre espaço para apoio à intervenção militar

O posicionamento do Exército foi enviado depois de o Estado questionar a instituição sobre o Regulamento Disciplinar do Exército, que proíbe militares de se manifestar publicamente a respeito de assuntos de natureza político-partidário, ao menos que esteja autorizado.

O decreto de agosto de 2002 tem por “finalidade especificar as transgressões disciplinares e estabelecer normas relativas a punições disciplinares” e lista 113 ações que, em tese, não deveriam ser praticadas por todos os militares – inclusive pelo general Villas Bôas.

+ Regulamento proíbe militares de se manifestar publicamente sobre assuntos políticos

+ 150 juristas, advogados e professores criticam falas de oficiais das Forças Armadas

O regimento diz ainda que um militar da ativa não deve “tomar parte em discussão a respeito de assuntos de natureza político-partidária ou religiosa”. Um membro do Exército também precisaria de autorização para “discutir ou provocar discussão, por qualquer veículo de comunicação, sobre assuntos políticos ou militares”. Ao militar também é vedado “tomar parte, fardado, em manifestações de natureza político-partidária”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.