Edilson Rodrigues/Agência Senado
Edilson Rodrigues/Agência Senado
Imagem Eliane Cantanhêde
Colunista
Eliane Cantanhêde
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Com depoimentos ‘curiosos’, CPI da Covid é ofuscada por crise de Bolsonaro com Judiciário

Em novo episódio de ‘Por Dentro da CPI’, Eliane Cantanhêde traz as impressões sobre a semana que teve reverendo, tenente-coronel da reserva e assessor informal como testemunhas

Redação, O Estado de S.Paulo

06 de agosto de 2021 | 13h03

Em sua primeira semana de depoimentos após o recesso parlamentar, a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid perdeu relevância e protagonismo para a crise política entre o presidente Jair Bolsonaro, o Supremo Tibunal Federal (STF) e o Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A avaliação é da colunista Eliane Cantanhêde, no novo episódio da série Por Dentro da CPI

Eliane destaca as curiosidades das oitivas do reverendo Amilton Gomes de Paula e do tenente-coronel da reserva Marcelo Blanco. “Na opinião dos membros da CPI, eles mentiram muito”, diz a colunista. Para Eliane, nenhum dos dois conseguiu esclarecer de forma satisfatória pontos importantes levantados na CPI, como o fato de o Ministério da Saúde tratar sobre compra de vacinas com empresas que não estavam autorizadas para a venda. 

A CPI também ouviu o empresário e ex-deputado Airton Soligo, que atuou informalmente como assessor do general Eduardo Pazuello na pasta antes de ser nomeado. Eliane diz que a atuação dele reforça a impressão de que havia muitos problemas na administração do Ministério da Saúde. 

“O que sobra desta primeira semana de CPI na volta do recesso é que o Ministério da Saúde, comandado por um general da ativa que é especialista em logística, estava uma bagunça”, afirma. 

Tudo o que sabemos sobre:
Jair BolsonaroCPI da Covid

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.