Gabriela Biló/ Estadão
Gabriela Biló/ Estadão

Cenário: Canetada que tirou igrejas de quarentena mirou líderes evangélicos e troco em governadores

Presidente começa a atropelar decisões estaduais para atender sua base de apoio e não antecipar o fim de seu governo

Vera Rosa, O Estado de S.Paulo

27 de março de 2020 | 05h00

De canetada em canetada, o presidente Jair Bolsonaro começa a atropelar decisões estaduais para atender o eleitorado e não antecipar o fim de seu governo. Em queda nas pesquisas, cobrado pelas redes sociais e alvo de panelaços, Bolsonaro editou agora um decreto que inclui igrejas na lista de serviços essenciais que podem funcionar no período de quarentena, estabelecido para evitar a propagação do novo coronavírus.

Embora o decreto autorize “atividades religiosas” de forma ampla, os evangélicos são, na prática, os destinatários da medida. Não sem motivo: a principal base de sustentação do governo Bolsonaro no Congresso ainda está nas mãos desse segmento. Sob pressão de líderes evangélicos, o presidente encontrou na liberação de cultos uma forma de tentar dar o troco nos governadores, principalmente em João Doria (PSDB), de São Paulo, a quem já chamou de “lunático”, e em Wilson Witzel (PSC), do Rio, que, nas suas palavras, não passa de um “demagogo”.

Em janeiro, Bolsonaro já havia tentado conceder subsídio na conta de luz para templos religiosos de grande porte. Mesmo com a resistência da equipe econômica, ele chegou a pedir ao Ministério de Minas e Energia que preparasse minuta de decreto com o benefício. Só recuou porque a medida pegou mal em outro grupo de seguidores, formado por empresários.

Bolsonaro agora quer reabrir o comércio, as escolas e acabar com o isolamento social. Faz previsões catastróficas, diz que o povo foi “enganado” sobre o coronavírus porque “nada pega” nos brasileiros e joga no colo dos governadores a conta pelo “extermínio” de empregos. Na contramão do mundo, o presidente que trata a pandemia como uma “gripezinha” faz cálculos políticos porque sabe que, se a economia desandar, não haverá amanhã. E muito menos 2022.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.