Denis Ferreira Netto/ESTADÃO
Denis Ferreira Netto/ESTADÃO

Bolsonaro exonera Maurício Valeixo, diretor-geral da PF, mas não nomeia substituto

Troca no comando do órgão de investigação provocou crise entre o ministro da Justiça e o presidente; Moro fará pronunciamento às 11h; Alexandre Ramagem, atual diretor da Abin, é cotado para a PF

Marina Aragão, O Estado de S.Paulo

24 de abril de 2020 | 04h58

O presidente Jair Bolsonaro oficializou nesta sexta-feira, 24, a exoneração do diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo. A saída foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) e é assinada também pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro. A troca no comando da corporação provocou a mais nova crise entre o presidente e o ministro, que ameaça deixar o cargo caso não possa indicar o substituto para a vaga. O ministro fará um pronunciamento às 11h desta sexta-feira.

Um dos nomes cotados para assumir o posto é o do atual diretor da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Alexandre Ramagem, que comandou a segurança de Bolsonaro durante a campanha eleitoral após o então candidato ser alvo de um atentado a faca. A publicação no Diário Oficial de hoje, no entanto, não traz o nome do substituto. Embora seja prerrogativa do presidente nomear o diretor da PF, tradicionalmente a escolha é feita pelo ministro da Justiça.

O aviso do presidente a Moro de que Valeixo seria demitido movimentou o Planalto nessa quinta-feira, 23. Em uma reunião pela manhã, Bolsonaro disse ao ministro que a mudança no comando da PF já estava definida. O ministro da Justiça, por sua vez, ameaçou deixar o governo se a ordem para a troca viesse “de cima para baixo”. 

Nos bastidores do governo, a ameaça de Moro é foi encarada mais como uma pressão. Mesmo assim, a ala militar do governo entrou em ação para tentar contornar o novo desgaste entre o presidente e Moro. Os ministros-generais Braga Netto (Casa Civil) e Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo) conversaram com o ministro da Justiça e Segurança pública e atuaram como bombeiros na crise.

Contexto da demissão

Na prática, Valeixo já havia tratado com Moro, no início do ano, de sua saída do cargo de diretor-geral da corporação. Homem da confiança do ex-juiz da Lava Jato, o delegado demonstrou exaustão no cargo, reportando-se a um 2019 tenso no comando da PF. O ministro tentava, porém, encontrar um nome de sua confiança para o posto, quando foi surpreendido pelo comunicado de Bolsonaro de que mudanças na corporação ocorreriam nos próximos dias.

A decisão do presidente de mudar o comando da PF ocorre dias depois de o Supremo Tribunal Federal (STF) autorizar a abertura de inquérito para investigar quem organizou e financiou manifestações em defesa da ditadura, no domingo. Bolsonaro participou de um ato com esse teor diante do QG do Exército, em Brasília. Ficou irritado depois que alguns de seus aliados entraram na mira da Polícia Federal.

Moro desgastado

Há no Planalto o sentimento de que a relação entre Moro e Bolsonaro vem se deteriorando com rapidez. Desde que entrou no governo, o ex-juiz tem sofrido derrotas, como o pacote anticrime travado Congresso.

Recentemente, Bolsonaro tentou dividir o Ministério da Justiça em dois, tirando de Moro a Segurança Pública. Além disso, o presidente não planeja mais, ao menos por enquanto, indicar Moro para uma vaga no Supremo.

No auge da crise do coronavírus, Bolsonaro chegou a dizer, em conversas reservadas, que o ministro da Justiça era “egoísta” e só pensava em si próprio. Em outra ocasião declarou que usaria sua caneta contra pessoas do governo que “viraram estrelas”. Para interlocutores do presidente, o recado mirava não apenas o ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, demitido do cargo, mas também Moro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.