Presidência da República / Divulgação
Presidência da República / Divulgação

Bolsonaro diz que governo termina 2019 'sem qualquer denúncia de corrupção'

Em meio às investigações contra seu filho, Flávio, o presidente afirma que 'o mundo voltou a confiar no Brasil'

Fabrício de Castro, O Estado de S.Paulo

24 de dezembro de 2019 | 21h13

BRASÍLIA – Em meio às investigações contra seu filho Flávio, o presidente da República, Jair Bolsonaro, afirmou que o ano de 2019 termina “sem qualquer denúncia de corrupção”. Em rápido pronunciamento em rede nacional de TV, ele citou ações de seu primeiro ano de governo e disse que a “esperança voltou ao Brasil”.

“Estamos terminando 2019 sem qualquer denúncia de corrupção. O mundo voltou a confiar no Brasil. O viés ideológico deixou de existir em nossas relações comerciais”, afirmou Bolsonaro, durante sua fala.

Atualmente, seu filho, o senador Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ), é investigado em suposto esquema de “rachadinha” na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro. Já o atual ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, foi denunciado por suposto esquema de candidaturas-laranja do PSL em Minas Gerais, em 2018.     

De acordo com Bolsonaro, 2019 foi um ano “muito especial, de algumas conquistas”. Entre elas, ele citou “os números positivos da economia, a queda dos índices de criminalidade, o aumento significativo do número de turistas, o 13º salário do Bolsa Família, o sucesso do Enem e do agronegócio, a Lei da Liberdade Econômica e as obras feitas pelos batalhões de engenharia do Exército”.

 

O presidente não fez nenhuma menção, no entanto, à aprovação da reforma da Previdência – tema impopular para boa parcela da população. Ele também não citou especificamente nenhum ministro, limitando-se a dizer que escolheu 22 nomes “pelo critério técnico”. “Agradeço aos ministros, servidores e empresários pela confiança no crescimento do País”, disse.

Bolsonaro apareceu no pronunciamento ao lado da primeira-dama, Michelle Bolsonaro, que também desejou Feliz Natal aos brasileiros. “Hoje temos um presidente que valoriza a família, respeita a vontade de seu povo, honra os militares e acredita em Deus”, disse o presidente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.