Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Bolsonaro demite ministro do Turismo e expõe disputa pela Câmara

Presidente antecipa saída de Álvaro Antônio do Turismo e abre caminho para cargo ser usado em negociações por apoio ao candidato do Planalto na sucessão de Maia

Jussara Soares e Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

09 de dezembro de 2020 | 14h50
Atualizado 10 de dezembro de 2020 | 18h12

BRASÍLIA – O presidente Jair Bolsonaro começou nesta quarta-feira, 9, a mexer no seu governo para tentar interferir na disputa pelo comando da Câmara e demitiu o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio. A troca na pasta ocorreu após Antônio expor, em um grupo de mensagens, as articulações do governo para influenciar a sucessão do atual presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ). O agora ex-ministro disse que o general Luiz Eduardo Ramos, da Secretaria de Governo, ofereceu a pasta do Turismo ao Centrão em troca de apoio ao candidato do Planalto. 

Bolsonaro escolheu para a vaga o presidente da Embratur, Gilson Machado. Ao colocar um amigo pessoal no cargo, o presidente facilita uma futura troca para acomodar o Centrão em busca de votos pelo comando da Câmara. O Ministério do Turismo é bastante cobiçado pelo grupo que se aproximou do governo em troca de cargos.

A disputa na Câmara é de extrema importância para o Palácio do Planalto por duas razões: a primeira é evitar que o atual presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), adversário político do presidente, consiga fazer um sucessor, o que fortaleceria seu grupo na disputa presidencial de 2022. A outra é que ter um aliado no cargo possibilitará ao governo levar adiante sua agenda ideológica. É o presidente da Câmara quem define o que vai ou não ser votado. A aposta do Palácio do Planalto é no deputado Arthur Lira (Progressistas-AL), um dos principais nomes do Centrão, que oficializou ontem a sua candidatura. 

Contrariado com as negociações envolvendo a sua pasta, Antônio escreveu no grupo de WhatsApp formado por ministros: “Não me admira o Sr Ministro Ramos ir ao PR (presidente) pedir minha cabeça, a entrega do Ministério do Turismo ao Centrão para obter êxito na eleição da Câmara dos Deputados”, disse ele. A íntegra da mensagem foi revelada pela CNN Brasil e também obtida pelo Estadão – leia aqui.

Ao demitir Antônio, Bolsonaro o repreendeu por ter exposto divergências em um grupo de WhatsApp e disse que as diferenças deveriam ser resolvidas pessoalmente, não em público. 

Na conversa com o presidente, relatada à reportagem por integrantes do governo, Antônio acusou Ramos de fazer intrigas entre ministros – ele já foi chamado de “Maria Fofoca” por Ricardo Salles, do Meio Ambiente. O agora ex-ministro do Turismo ainda citou o fato de ser um aliado fiel a Bolsonaro desde a campanha eleitoral e, apesar de ter demonstrado descontentamento, disse que seguirá apoiando o governo.

O Estadão apurou que o presidente escolheu o lado de Ramos também por ter almoçado com os comandantes das Forças Armadas horas antes de o caso ganhar repercussão. Segundo um participante do almoço, desta vez Bolsonaro se viu impelido a tomar as dores do general Ramos. 

Ainda como ministro do Turismo, Antônio tentou reverter a situação e enviou mensagem a Ramos pedindo perdão e admitindo ter sido injusto. Ele não aceitou.

O próprio Ramos é um dos que também devem perder o cargo para dar espaço ao Centrão. Após acumular desgastes com outros integrantes da Esplanada dos Ministérios, ele deve ser deslocado para a Secretaria-Geral da Presidência no lugar de Jorge Oliveira, que assumirá uma cadeira no Tribunal de Constas da União (TCU) após a aposentadoria de José Mucio Monteiro.

Também é aguardada a substituição de Onyx Lorenzoni no Ministério da Cidadania. 

Todas as trocas de ministérios no governo Bolsonaro

Fevereiro/2019

Secretaria-Geral da Presidência - Gustavo Bebianno é substituído por Floriano Peixoto

Abril/2019

Ministério da Educação –  Ricardo Vélez por Abraham Weintraub 

Junho/2019

Secretaria de Governo – Carlos Alberto dos Santos Cruz por Luiz Eduardo Ramos

Junho/2019

Secretaria-Geral da Presidência – Floriano Peixoto por Jorge Oliveira 

Junho/2020

Ministério do Desenvolvimento Regional – Gustavo Canuto por Rogério Marinho

Fevereiro/2020

Casa Civil– Onyx  Lorenzoni por Walter Braga Netto

Ministério da Cidadania – Osmar Terra por Onyx Lorenzoni

Abril/2020

Ministério da Saúde – Luiz Henrique Mandetta por Nelson Teich 

Ministério da   Justiça – Sergio Moro por André Mendonça

Advocacia-Geral da União – André Mendonça por José Levi

Maio/2020

Ministério da   Saúde – Nelson Teich por Eduardo Pazuello

Ministério das  Comunicações -  Fábio Faria assume após desmembramento do Ministério da Ciência, Tecnologia e Comunicações  

Junho/2020

Ministério da   Educação – Abraham Weintraub  por  Carlos Alberto Decotelli

Ministério da   Educação -  Carlos Alberto Decotelli por Milton Ribeiro

Sem Maia e Davi, quem leva o Congresso? Ouça no ‘Estadão Notícias’

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.