Reprodução Facebook
Reprodução Facebook

Bolsonaro confirma astronauta Marcos Pontes para Ministério da Ciência e Tecnologia

No Twitter, presidente eleito também afirmou que os ministérios de seu governo não serão compostos por condenados por corrupção

Paulo Beraldo e Daniel Weterman, O Estado de S.Paulo

31 de outubro de 2018 | 11h37

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) confirmou na manhã desta quarta-feira, 31, o nome do tenente-coronel Marcos Pontes, do mesmo partido, para o Ministério da Ciência e Tecnologia. Nesta eleição, ele concorreu como segundo suplente do senador eleito Major Olímpio (PSL-SP). 

"Comunico que o Tenente-Coronel e Astronauta Marcos Pontes, engenheiro formado no ITA, será indicado para o Ministério da Ciência e Tecnologia. É o quarto Ministro confirmado!", escreveu. Durante a corrida presidencial, Pontes atuou na campanha de Bolsonaro neste ano

Na terça-feira, o astronauta declarou ao telejornal Bom Dia, RN, da Inter TV, afiliada da Rede Globo, que havia aceitado o convite. "Fui convidado e já aceitei, convite está aceito", disse. "Assumo o ministério, fico os quatro anos e depois, eventualmente, posso entrar no Senado para continuar o trabalho dentro do Congresso", afirmou na entrevista.  Leia o perfil do futuro ministro. 

Marcos Pontes nasceu em Bauru, no interior de São Paulo, e formou-se em engenharia no Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA). Ele ganhou notoriedade em março de 2006, quando se tornou o primeiro e único astronauta brasileiro a viajar para o espaço. O futuro ministro tentou a sorte na política em 2014, quando disputou uma vaga como deputado federal por São Paulo. Na ocasião, recebeu pouco mais de 43 mil votos e não foi eleito.  

Em vídeo nas redes sociais divulgado esta semana, Pontes afirmou que "há muitas coisas a fazer" e que sua prioridade será a educação. "Educação para formar cidadãos qualificados. Ciência, para desenvolver ideias e soluções específicas para o Brasil. Tecnologia, para transformar ideias em inovações, que vão se transformar em novos produtos, que vão se transformar em novas empresas, que vão criar novos empregos. Esse ciclo virtuoso é o que a gente quer criar no Brasil. Estou muito feliz", disse, afirmando estar orgulhoso de sua cidade ter um ministro no governo. 

 

 

Novos ministros 

Bolsonaro também já anunciou os nomes do deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS) para assumir a Casa Civil, do economista Paulo Guedes para o Ministério da Economia, pasta que englobará os ministérios da Fazenda, do Planejamento e da Indústria e Comércio Exterior, e também do general Augusto Heleno para chefiar o Ministério da Defesa

Com quatro ministros já anunciados, o presidente eleito, Jair Bolsonaro, afirmou que condenados por corrupção não assumirão Pastas em seu governo. Além disso, ele disse que anunciará os nomes pelas redes sociais e que qualquer informação fora desse ambiente é "mera especulação maldosa".

"Nossos ministérios não serão compostos por condenados por corrupção, como foram nos últimos governos. Anunciarei os nomes oficialmente em minhas redes. Qualquer informação além é mera especulação maldosa e sem credibilidade", escreveu Bolsonaro em mensagem publicada no Twitter e no Facebook.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.