Adriano Machado / Reuters
Adriano Machado / Reuters

Bastidores: Bolsonaro está exausto, dizem interlocutores

Para assessores, momento é ‘tenso’ porque presidente sofre pressão de diversos setores da economia em meio à pandemia e a panelaços

Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

16 de abril de 2020 | 20h54

BRASÍLIA – A troca do ortopedista Luiz Henrique Mandetta pelo empresário e oncologista Nelson Teich trouxe alívio ao Palácio do Planalto. Mas a sensação foi curta, reconheceram interlocutores do governo. O presidente Jair Bolsonaro não esconde, segundo esses mesmos auxiliares, a “exaustão” neste momento de pandemia e de panelaços.

No pronunciamento para anunciar a troca de ministros, na tarde desta quinta-feira, Bolsonaro chegou a enfrentar o Supremo Tribunal Federal (STF) ao defender novamente uma flexibilização do isolamento e o retorno na “normalidade” o mais “breve” possível. Um dia antes, na quarta-feira, a Corte decidiu, que os governadores e os prefeitos têm autonomia para decretar o isolamento.

Um dos assessores do presidente disse que o momento é tenso porque o Palácio sofre pressão de setores diversos da economia para a “volta ao trabalho”. Bolsonaro, segundo o relato, continua “firme” e “atento” a essa demanda e convicto de que não se pode separar o combate à pandemia da manutenção dos empregos.

Diante de ataques de diferentes frentes, os auxiliares chegaram a comemorar até o fato de Bolsonaro ter deixado de lado o tom agressivo no pronunciamento desta quinta-feira. Havia pouco o que comemorar. A queda de braço entre Bolsonaro e Mandetta se arrastou pelas últimas semanas, provocando desgaste à imagem do presidente e do governo. Os auxiliares destacaram, porém, que não houve dificuldade de achar um novo nome para a pasta da Saúde.

Nelson Teich, que atua no setor privado, é um médico que chegou a ser cotado para o ministério no final de 2018. No governo de transição, o oncologista perdeu a indicação por um entendimento político. Mandetta, filiado ao DEM, contava com apoio de lideranças do partido, uma legenda que sempre flertou com Bolsonaro.

No Planalto, a torcida neste momento, é para que o empresário e médico, que não é primordialmente um gestor público, consiga, rapidamente, montar uma equipe eficiente. Os assessores do Palácio observam que o número de casos de atingidos pelo novo coronavírus aumenta de forma exponencial pelo País. E os panelaços continuam intensos.

A hora, de acordo com esses interlocutores, é de ver como será o “andar da carruagem” e como será a atuação do novo ministro. Os auxiliares relataram que Nelson Teich contará com apoio de outras pastas neste início de gestão. E isso teria ficado claro numa primeira reunião do novo ministro com o primeiro escalão do governo antes de ele ser anunciado para o cargo. A “transversalidade” de ações é a palavra de ordem no governo, disseram. Todos têm de trabalhar lado a lado.

Tudo o que sabemos sobre:
Jair Bolsonaro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.