Sergio Galdino / Estadão
Sergio Galdino / Estadão

Assembleia de SP confirma retirada de Fapesp e universidades de ajuste fiscal de Doria

Deputados também excluíram pontos polêmicos do texto, como a extinção da Fundação para o Remédio Popular (Furp) e da Fundação Oncocentro

Bianca Gomes, O Estado de S.Paulo

14 de outubro de 2020 | 21h24

A Assembleia de São Paulo (Alesp) decidiu nesta quarta-feira, 14, retirar do pacote de ajuste fiscal do governador João Doria (PSDB) o artigo que obrigaria as universidades, a Fundação de Amparo à Pesquisa de São Paulo (Fapesp) e os fundos ligados a funcionários da segurança pública a repassar seus superávits financeiros de 2019 ao Tesouro estadual.

No começo do mês, Doria já havia desistido de cortar até R$ 1 bilhão do orçamento de universidades federais no ano que vem. A concessão foi uma forma do governo conseguir viabilizar a aprovação da proposta, que ficou semanas parada no plenário da Casa. 

Por 78 votos a zero, os deputados excluíram do texto outros pontos polêmicos do pacote, incluindo a extinção da Fundação para o Remédio Popular (Furp), da Fundação Oncocentro (Fosp)e dos institutos de Terras (Itesp) e de Medicina Social e de Criminologia (Imesc). Assim como o orçamento das universidades, a retirada dessas entidades do projeto já havia sido negociada junto ao governo. 

Trechos sobre as alterações na legislação do Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação de Quaisquer Bens ou Direitos (ITCMD) também foram excluídos.

O texto-base do pacote foi aprovado na madrugada desta quinta por 48 votos a 37. Com a aprovação, o governo estadual poderá extinguir estatais e fundações, como a Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano de São Paulo (CDHU) e a Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo (EMTU). Outro artigo do projeto autoriza o governo a reduzir benefícios fiscais na cobrança do ICMS, o que, segundo alguns deputados, poderá trazer aumento de impostos. 

O próximo passo do projeto de lei é uma reunião da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) para a aprovação da redação final do texto, que depois segue para sanção do governador João Doria.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.