Adriano Machado/Reuters
Adriano Machado/Reuters

Vice de Alckmin elogia Marina em debate e sugere tom coloquial a tucano

Ana Amélia afirmou que a candidata da Rede 'perturbou' Bolsonaro em 'ponto alto' da noite

André Ìtalo Rocha, O Estado de S.Paulo

18 Agosto 2018 | 12h56

Vice na chapa do candidato a presidente Geraldo Alckmin (PSDB), a senadora Ana Amélia (PP-RS) rasgou elogios à maneira como a candidata Marina Silva (Rede) atacou o candidato Jair Bolsonaro (PSL) no debate da RedeTV na noite desta sexta-feira, 17, em relação à diferença salarial entre homens e mulheres. "Foi o ponto alto do debate", afirmou.

"Ela foi muito corajosa e fez na hora certa. Soube aproveitar, não buscou um subterfúgio e foi em cima do ponto, na questão de a mulher ter hoje uma inferioridade salarial em relação ao homem. Ela foi feliz na forma como fez e de maneira respeitosa", disse a jornalistas a candidata a vice, depois de ter participado, com Alckmin, de ato de apoio realizado em São Paulo pelo PHN (Partido Humanitário Nacional).

Para Ana Amélia, a resposta de Marina mostrou que ela teve senso de oportunidade. "Na política, é preciso ter senso de oportunidade. A eficácia de dizer algo tem resultado melhor se for feito na hora certa. E ela fez com uma argumentação irrefutável, preciosa, indiscutível. Ela foi na lei e foi na bíblia", afirmou. "Perturbou o Bolsonaro."

Questionada sobre o que faltou a Alckmin para ser o destaque do debate, Ana Amélia disse que o tucano, se usasse um tom mais coloquial em suas falas, poderia ter um ganho em sua participação. "Mas ele trata as coisas com uma formalidade que, na visão dele, é o comportamento dele. Ele tem a preocupação de continuar sendo isso e não adianta querer mudar o jeito de ser de uma pessoa."

Na visão da senadora, quem participa de um debate presidencial precisa se preocupar em traduzir assuntos áridos para a população, evitando termos abstratos. "Crise fiscal, por exemplo. Todos falaram disso ontem. Você acha que uma pessoa de um bairro mais afastado da cidade sabe o que é isso? Não sabe. Mas se o candidato diz: 'Olha, você está gastando mais do que recebe de salário', isso é crise fiscal", disse.

Ana Amélia também deu o exemplo do IVA (Imposto de Valor Agregado), uma das propostas de Alckmin para simplificar a cobrança de tributos no País. "Falar de IVA é falar grego, até para quem é de classe média ou classe média alta." 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.