Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Análise: Marina pode ter encontrado brecha na fortaleza de Bolsonaro

Candidata da Rede aproveitou resposta ruim do militar da reserva para se comunicar com o eleitorado feminino, maioria no País

Marcelo de Moraes, O Estado de S.Paulo

18 Agosto 2018 | 00h33

Com candidatos sem punch e com medo de correr risco, o debate realizado pela RedeTV, o segundo das eleições 2018, parecia caminhar para se tornar um mar de monotonia. Candidatos faziam dobradinhas, se chamavam de amigos e pareciam muito mais preocupados em não falar bobagens do que em tentar se destacar.

Mas, no terceiro bloco, Marina Silva retomou uma resposta ruim de Jair Bolsonaro sobre direitos de mulheres dada a Henrique Meirelles para fazer uma forte fala sobre as dificuldades das mulheres.

Irritado com o tom de Marina, Bolsonaro tentou partir para o ataque dizendo que a adversária era evangélica, mas defendia plebiscito para legalização das drogas e liberação do aborto. Marina chegou a tentar interromper Bolsonaro antes da hora, mas acabou fazendo um discurso forte condenando a violência que seria pregada pelo adversário em sua campanha.

Marina pode ter encontrado um pulo do gato nessa intervenção. Se comunicou com o eleitorado feminino, que é maioria no País, e pode ter descoberto uma brecha na poderosa fortaleza de Bolsonaro, que lidera as pesquisas nos cenários que não incluem Lula.

É cedo para dizer que tipo de impacto esse desempenho poderá ter na campanha. Talvez seja ignorado pela maioria dos eleitores que parecem cada vez mais desiludidos com os políticos. Mas pode ter aberto um caminho para que Marina assuma um protagonismo entre os eleitores de centro-esquerda e entre os indecisos.

Curiosamente, Bolsonaro não lembrou em nada o candidato focado do debate passado. Dessa vez, demonstrou irritação desde as primeiras respostas. Passou distante da imagem do "mito" celebrado pelos seus fanáticos seguidores.

Lula, dessa vez, não foi ignorado pelos candidatos, como ocorreu no debate anterior. Mas foi lembrado apenas para levar bordoadas. Bolsonaro avisou que tinha cobrado que o púlpito vazio que seria destinado a ele fosse retirado. O ex-presidente foi chamado de "criminoso" e teve sua candidatura chamada de "farsa" por Alvaro Dias.

Ainda faltam dez dias para começar o horário de propaganda eleitoral, onde mais fragilidades dos candidatos poderão ser exibidas. Mas ficou a impressão que o personagem forte criado por Bolsonaro tem pontos fracos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.