Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Bolsonaro é pressionado sobre economia e mulheres em debate na RedeTV!

'Você não sabe o que é ser mulher', afirma candidata da Rede no segundo encontro de presidenciáveis das eleições 2018;

O Estado de S.Paulo

18 Agosto 2018 | 00h39

Pressionado por adversários no segundo debate entre os candidatos à Presidência da República promovido na noite desta sexta-feira, 17, pela Rede TV!, o candidato do PSL, Jair Bolsonaro, hesitou ao ser confrontado em temas sensíveis à sua candidatura. Bolsonaro teve dificuldades de responder uma questão sobre a dívida pública e foi acusado pela candidata da Rede, Marina Silva, de fazer “vista grossa” à discriminação que sofrem as mulheres. Diferentemente do primeiro encontro entre os presidenciáveis, o assunto ética na política foi frequente e o PT, sem representantes no encontro, alvo de ataques.

O terceiro bloco do debate reservou um embate entre Bolsonaro e Marina, respectivamente líder e segunda colocada nas pesquisas de intenção de voto sem a presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso e condenado na Operação Lava Jato e registrado no Tribunal Superior Federal (TSE) como candidato do PT.

“Você disse que a questão dos salários melhores para as mulheres é uma coisa que não precisa se preocupar porque já está na CLT”, questionou a candidata da Rede. “Só uma pessoa que não sabe o que significa uma mulher ganhar um salário menor que os homens e ter a mesma capacidade, a mesma competência e ser a primeira a ser demitida e a última a ser promovida e quando vai na fila de emprego, só por ser mulher, não se aceita. É uma questão que tem que se preocupar, sim, porque quando se é presidente da República tem que fazer cumprir o artigo 5.º da Constituição Federal, que diz que nenhuma mulher deve ser discriminada. E não fazer vista grossa dizendo que não precisa se preocupar.” 

Ao responder, Bolsonaro partiu para o ataque e acusou Marina de ser uma evangélica que defende plebiscito para a legalização do aborto e da maconha. O candidato do PSL disse ser a favor do direito das mulheres de portar arma de fogo. Na tréplica, Marina rebateu lembrando o episódio em que Bolsonaro foi fotografado em Goiânia ensinando uma criança a fazer, com as mãos, o gesto de uma pistola. “A coisa que uma mãe mais quer é educar os filhos para que eles sejam homens de bem. Você é um deputado, pai de família. E você um dia desse pegou a mãozinha de uma criança e ensinou como é que se faz para atirar. É esse o ensinamento que você quer dar ao povo brasileiro?”

A atuação da candidata da Rede – única mulher presente – foi ressaltada pelo presidenciável do PSOL: “Quero parabenizar você, Marina, por ter colocado Bolsonaro no seu lugar. Eleição não se ganha no grito”, disse Guilherme Boulos

O debate passou por vários temas econômicos: desemprego, teto de gastos, reforma tributária e outros. Na parte em que jornalistas perguntavam para os candidatos, Bolsonaro foi questionado se deve ser papel do presidente da República se preocupar com o Orçamento da União e a parcela destinada ao pagamento da dívida pública. “Cabe ao presidente da República, são números absurdos, meus economistas dizem que tem solução, mas será difícil”, afirmou o candidato do PSL, que costuma dizer que assuntos econômicos serão respondidos por seu eventual ministro da Fazenda, o economista Paulo Guedes.

Na continuação da resposta, Bolsonaro apontou como solução a redução do tamanho do Estado, privatizações, além de facilitar vida de quem quer abrir empresa no Brasil e diminuir encargos trabalhistas. Ele disse ainda querer que “empregados e patrões sejam amigos e não inimigos”.

Púlpito que seria de Lula foi retirado 

Antes do início do debate, a emissora decidiu retirar o púlpito que seria de Lula. Segundo apurou o Estado, a Rede TV! consultou os candidatos pouco antes do início do evento sobre a manutenção do espaço, mesmo vazio, da chapa petista. Apenas Boulos foi favorável a manter o púlpito. 

Ainda no primeiro bloco, Alvaro Dias (Podemos) questionou Marina Silva sobre a potencial inelegibilidade da candidatura de Lula, sem citar o ex-presidente. Ele classificou a atual situação como uma “vergonha nacional”. “O político inelegível não é um preso político. É um político preso. E essa encenação de candidatura é uma afronta ao País”, disse o candidato. 

Sem representante no estúdio, o PT foi alvo no debate. Geraldo Alckmin (PSDB) citou o partido ao defender a PEC do Teto dos Gastos, que, segundo ele, foi uma medida contra o “estouro” das contas públicas. Em referência ao número do partido adversário que “foram 13 anos de PT, 13 milhões de desempregados”. Em seguida disse que a PEC do Teto dos Gastos foi uma “vacina contra o PT”.

Mais tarde, questionado sobre a “velha política”, o tucano admitiu que o PSDB também sofre com questionamentos éticos. “Nós também estamos fragilizados”, disse Alckmin.

Por outro lado, Henrique Meirelles (MDB) voltou a se associar a Lula – que lidera as pesquisas de intenção de voto –, mas foi vinculado por adversários ao presidente Michel Temer. “O presidente Lula então eleito, me chamou para presidir o Banco Central. Lá criamos mais de 10 milhões de empregos. Depois voltei para ser ministro da Fazenda para corrigir a bagunça feita por Dilma”, afirmou o candidato do MDB, ao se apresentar no início do evento.

Quando questionado por um jornalista sobre o que não repetiria do que viu na gestão Lula, Meirelles afirmou que não iria adotar o loteamento de cargos. “Não houve nas minhas áreas loteamento de cargos.” Foi contestado por Bolsonaro. “MDB é o símbolo do toma lá da cá, muitos ministros estão envolvidos na Lava Jato, indicação política, seu partido nunca abriu mão, abocanhar mais e mais ministérios, mais e mais diretoria de estatais, ai surge ineficiência do Estado e ai surge a corrupção”, afirmou o candidato do PSL.

Conhecido pelo temperamento explosivo, Ciro se manteve cordial com todos os concorrentes, e com os jornalistas. Por diversas vezes, pediu “perdão” quando ultrapassou o tempo permitido. Na maioria das vezes, escolheu Alckmin para responder suas perguntas. / MARIANNA HOLANDA, GLAUCO DE PIERRI, VALMAR HUPSEL FILHO, IGOR GIANNASI, DANIEL WETERMAN, MATHEUS LARA e MATEUS FAGUNDES

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.