Nelson Almeida/AFP
Nelson Almeida/AFP

PT confirma Fernando Haddad como candidato à Presidência

Em carta, ex-presidente Lula afirmou que ex-prefeito de São Paulo é o nome escolhido para substitui-lo nas eleições 2018

Katna Baran, O Estado de S.Paulo

11 Setembro 2018 | 14h36
Atualizado 11 Setembro 2018 | 19h03

CURITIBA - A Executiva Nacional do PT confirmou em reunião nesta terça-feira, 11, em Curitiba, o nome do ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad como o candidato do partido à Presidência da República e Manuela d'Ávila (PCdoB) como vice na chapa. Haddad vai substituir o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, cuja candidatura foi barrada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com base na Lei da Ficha Lima, por causa de sua condenação em segunda instância por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Também nesta terça-feira, o ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu negar o pedido do PT para adiar o prazo de substituição na cabeça da chapa, além de rejeitar a suspensão da decisão do TSE.

A decisão foi tomada no prazo final de dez dias estipulado no dia 1º pelo ministro Luís Roberto Barroso, para que o partido promovesse a substituição do nome do cabeça da chapa petista. Participaram da reunião em um hotel no centro de Curitiba, além de Haddad, a presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), a ex-presidente cassada Dilma Rousseff, o senador Lindbergh Farias (RJ) e os governadores Fernando Pimentel, de Minas Gerais, e Wellington Dias, do Piauí, além de outros dirigentes petistas. 

O advogado eleitoral Luiz Fernando Casagrande Pereira também participou para fechar a ata do partido com Haddad como candidato. Segundo ele, as mídias de propaganda do PT devem ser substituídas imediatamente para deixar claro que Haddad é o candidato do partido à Presidência.  

Um dos primeiros petistas a deixar a reunião em Curitiba, o governador de Minas disse que a substituição de Lula por Haddad na chapa não é uma decisão a ser comemorada. "Nosso candidato era o Lula e deveria ser o Lula porque é o candidato que o povo gostaria. Diante dessa nova violência que está sendo cometida contra a democracia, nós vamos trocar (o candidato)", afirmou Pimentel.

"A transferência de votos (de Lula para Haddad) está acontecendo. As pesquisas indicam isso e vai daqui para a frente acelerar", declarou. 

Após a reunião, a cúpula petista seguiu para a vigília pró-Lula montada em frente ao prédio da Superintendência da Polícia Federal, onde o ex-presidente está preso desde 7 de abril. No local, foi montada uma estrutura para o anúncio do futuro do PT nas eleições presidenciais. A militância do partido, convocada para o ato, que inicialmente estava previsto para 15h, se aglomerava em frente ao prédio aos gritos de "Haddad presidente". 

O ex-prefeito de São Paulo chegou ao prédio da PF por volta das 15h30 para um novo encontro com Lula. Pela manhã, antes da reunião da Executiva, ele já esteve com o ex-presidente.

Cenário

Fernando Haddad entra na corrida eleitoral com o desafio de herdar o capital político de Lula, que liderava as pesquisas de intenção de votos. No cenário sem o ex-presidente, Haddad aparece com 6% das intenções de votos, segundo pesquisa Ibope/Estadão/TV Globo divulgada no dia 6 de setembro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.