Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

‘Polarização não levou Minas para o lugar que deveria’, diz pré-candidato do DEM ao governo

O deputado federal Rodrigo Pacheco se apresenta como opção diante do embate entre PT e PSDB no Estado, que ocorre desde 2003, nas eleições 2018

Jonathas Cotrim, O Estado de S.Paulo

28 de junho de 2018 | 05h00

BELO HORIZONTE - Pré-candidato do DEM ao governo de Minas, o deputado federal Rodrigo Pacheco se apresenta como a terceira via à polarização entre PT e PSDB, que ocorre desde 2003, nas eleições 2018. Presidente da Comissão de Comissão de Constituição e Justiça da Câmara quando tramitaram as duas denúncias contra o presidente Michel Temer, Pacheco não encontrou espaço no partido para sua candidatura e deixou o MDB em março. Ao Estado, disse que, se eleito, tomará medidas amargas para garantir a austeridade. Abaixo os principais trechos da entrevista: 

O sr. se considera a terceira via nestas eleições em Minas Gerais?

Eu aposto na consciência do eleitor de Minas Gerais de que essa polarização (entre PT e PSDB) já não levou o Estado para o lugar que deveria ir, e não vai levar mais. Então, nós nos apresentamos como uma candidatura de ‘terceira via’ para que as pessoas tenham a opção de votar em algo diferente.

+++Rodrigo Pacheco (DEM) anuncia Ana Paula Junqueira como pré-candidata a vice

 O que o sr. propõe?

Retomar o protagonismo de Minas, sendo catalisador de forças políticas para as grandes decisões nacionais. Segundo, seria um grande pacote de austeridade que promova o combate ao desperdício de dinheiro público e colocar o Estado, não como Estado mínimo, mas necessário para gerar bem-estar da população. Em paralelo, um grande movimento de desenvolvimento econômico. Esse enxugamento com desenvolvimento econômico é a receita que temos para suprir o déficit do Estado. Há uma série de medidas que precisam ser tomadas, de austeridade, e que podem custar a popularidade do próximo governador.

+++PTB formaliza apoio a pré-candidatura de Anastasia (PSDB) em Minas

Como o sr. pretende enfrentar a crise financeira do Estado? 

Tudo o que for preciso ser feito para colocar o Estado mais eficiente, precisamos fazer. Ainda que desagrade, por exemplo, a classe política. Faremos um trabalho de compreensão da população de que isso é necessário para salvar o Estado. Não adianta tomar medidas nesse sentido sem também cortar na própria carne. É preciso combater privilégios e gastos supérfluos, e mostrar isso para a população. 

+++Datena confirma pré-candidatura ao Senado nas eleições 2018

O sr. deixou o MDB em março. Por quê?

Trabalhei muito no partido, junto com o presidente (do MDB de Minas) Antônio Andrade, pela viabilidade da candidatura própria, e naquele instante havia uma predominância para a manutenção do MDB no campo de apoio ao PT. Diante disso, eu havia recebido o convite do DEM para me filiar, e optei por me desligar do partido, pois tinha convicção de que poderia ser um caminho de oposição ao atual governo do Estado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.