Saulo Moreira/Ascom TRE-PE
Saulo Moreira/Ascom TRE-PE

Justiça de Pernambuco cria central para combater fake news nas eleições

Ferramenta online registrará denúncias de notícias falsas e crimes eleitorais; autoridades querem realizar investigações conjuntas

Kleber Nunes, O Estado de S.Paulo

19 Junho 2018 | 17h59

RECIFE - O Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco (TRE-PE) está implantando no Estado uma central de denúncias para receber queixas de fake news e crimes eleitorais que ocorram no ambiente virtual. A ferramenta, segundo a corte, começará a funcionar em julho.

+ Eleições 2018: veja quem são os prováveis candidatos a governador de Pernambuco

+ Em Pernambuco, pouco espaço para renovação na disputa do governo

A iniciativa do TRE-PE conta com parceria da Polícia Federal, da Secretaria de Defesa Social de Pernambuco e o Ministério Público Eleitoral do Estado. Representantes dos órgãos farão a triagem das notificações, e as denúncias consideradas mais graves deverão ser investigadas.

As suspeitas serão registradas pelo aplicativo Pardal, implantado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em 2016. Por meio do programa, o eleitor poderá fazer denúncias anexando imagens de suspeitas de crimes eleitorais e endereços eletrônicos que veiculem notícias falsas ou promovam os delitos.

+ Ministério Público Eleitoral ajuíza ações por propaganda antecipada em PE

“Estamos mudando o modo de como essas denúncias chegam para nós. O CD (central de denúncias) ficará encarregado pelos supostos crimes eleitorais eletrônicos. Os (delitos) tradicionais, como propaganda antecipada em outdoor, por exemplo, poderão também ser informados por esse ou outros canais, como telefone e e-mail, mas serão encaminhados para as comarcas”, disse ao Estado o desembargador Luiz Carlos Figueiredo, presidente do TRE-PE.

Servidores do tribunal eleitoral pernambucano, agentes da inteligência da polícia e funcionários do Ministério Público estão recebendo treinamento sobre conceitos como debunking (desmascarar boatos), verification (verificação de dados) e fact-cheking (checagem de informações).

+ Armando Monteiro (PTB) oficializa pré-candidatura ao governo pernambucano

“Estamos nos preparando para uma demanda muito grande de informações que vão chegar dos eleitores para que as respostas sejam dadas o mais rapidamente possível. As notícias falsas que tiverem potencial para desigualar a eleição com mentiras e ofensas serão cuidadosamente investigadas e os responsáveis serão punidos”, declarou Figueiredo.

De acordo com o magistrado, em ambientes onde é mais difícil identificar os autores dos crimes, como em aplicativos de troca de mensagens criptografados, o TRE-PE deverá atuar de maneira preventiva. “Já estamos realizando campanha para orientar as pessoas sobre o risco de se compartilhar informações falsas. É um antídoto que vamos intensificar a partir de agora.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.