TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO
TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

Jaques Wagner defende esperar investigações sobre campanha contra PT no WhatsApp

Para articulador da campanha de Haddad, onda de mensagens na rede social, supostamente financiada por empresas que apoiam Bolsonaro, representa crime eleitoral e precisa ser investigada pela Polícia Federal.

Daniel Weterman, O Estado de S.Paulo

18 de outubro de 2018 | 16h08

O articulador político da campanha de Fernando Haddad (PT) à Presidência, Jaques Wagner, defendeu nesta quinta-feira, 18, esperar eventuais investigações sobre o suposto pagamento de empresas privadas que apoiam Jair Bolsonaro (PSL) para uma campanha contra o petista no WhatsApp .

"É melhor aguardar uma investigação para falar em anular a eleição", disse o senador eleito pela Bahia. Para Wagner, a onda de mensagens na rede social representa crime eleitoral e precisa ser investigada pela Polícia Federal.

Mais cedo, o presidente do PDT, Carlos Lupi, disse nesta quinta-feira que o partido está preparando uma peça jurídica com a qual irá pedir o cancelamento ou a nulidade das eleições presidenciais de 2018. O PSOL também pediu que o Ministério Público investigue o caso. 

Haddad afirmou, em coletiva de imprensa, que vai acionar todos os mecanismos judiciais para que a campanha de Bolsonaro e os empresários supostamente envolvidos sejam punidos.

Sem citar nomes, o petista disse que "em qualquer lugar do mundo, isso seria um escândalo de proporções avassaladoras, poderia encerrar até com a impugnação da candidatura com o chamada do terceiro colocada para disputar o segundo turno".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.