Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Henrique Meirelles diz que pode levar votos de Lula

Emedebista quer usar propaganda eleitoral para conquistar apoio daqueles que avaliam positivamente os governos do petista; 'Trabalhei com Lula e Temer, sendo bem sucedido com ambos', disse

Felipe Frazão, O Estado de S.Paulo

04 de julho de 2018 | 15h35

BRASÍLIA - Pré-candidato do MDB à Presidência da República, o ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles afirmou nesta quarta-feira, 4, que vai basear sua campanha nas experiências que teve nos governos Michel Temer e Lula – de quem foi presidente do Banco Central. Meirelles afirmou que tem a propaganda eleitoral na TV para convencer eleitores de que foi responsável pelo crescimento econômico da Era Lula e da recuperação no governo Temer.

+ Em novo vídeo, Meirelles chama Ciro e Marina de 'candidatos profissionais'

“Sirvo o País. Trabalhei com Lula e com Temer, sendo bem sucedido em ambos os casos”, disse o emedebista ao discursar para empresários em evento promovido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). "As pessoas vão saber que o responsável por aquela época fui eu e não um candidato qualquer apoiado por Lula. E agora (governo Temer) também.”

Ele afirma considerar que poderá, com o início do horário eleitoral, levar o crédito, no lugar de um eventual candidato do PT, de eleitores que avaliam como positivo o governo Lula. Mesmo preso, o ex-presidente é pré-candidato do PT, mas foi condenado em segunda instância por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, o que poderá levar a Justiça Eleitoral a barrar o registro.

+ MDB deixa Meirelles e candidatos a governador sem recursos do fundo eleitoral

O ex-ministro disse que obteve resultados excelentes nos dois governos, mas que ainda não houve tempo de a população perceber na gestão Temer. Meirelles afirmou que tem apoio majoritário no MDB para vencer a convenção nacional do partido, agendada para o fim de julho. Segundo o presidenciável, a base do partido já se mobiliza por sua campanha.

“Temos garantia da vasta maioria e de uma vitória consagradora na convenção do MDB. É natural que um ou outro questione. Calculo que mais de 80% dos delegados do MDB, de Estados que visitei, estão conosco”, disse. Ele diz que, apesar de ter no geral entre 1% e 2% de intenções de voto, segundo pesquisas registradas, atinge patamares superiores em sondagens qualitativas encomendadas por seus aliados.

+ Alckmin diz que não cogita Meirelles como vice

Meirelles considera possuir até 30% de preferência entre eleitores que o conhecem e julgam ter dados suficientes sobre ele para decidir o voto. O ministro ainda se considera desconhecido do eleitorado. “Vários dos atuais candidatos estão fazendo campanha há anos”.

Economia

O ex-ministro da Fazenda se comprometeu a enviar ao Congresso nos primeiros meses de governo, caso eleito, um projeto de simplificação do sistema tributário, tornando-o mais transparente, eficiente e benéfico para empresas. Em seguida, promete a redução da carga tributária, que considera crucial para a recuperação industrial. Ele disse que o excesso de processos trabalhistas também atrapalha a competição da indústria brasileira no mercado aberto.

+ Eleições 2018: candidatos não detalham plano de reforma tributária

Meirelles afirmou que “não há dúvida de que existe pouca competição no mercado financeiro brasileiro” e citou o excesso de agências bancárias como uma barreira à competição. Ele também disse que a interferência governamental na taxa de juros “sempre deu errado no mundo inteiro” e que a redução virá com aumento da competição. Caso eleito, ele promete montar um “time dos sonhos” nos ministérios.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.