REUTERS/Ricardo Moraes/File Photo
REUTERS/Ricardo Moraes/File Photo

Bolsonaro diz que Haddad e o PT tentam dividir o Brasil

Candidato do PSL também falou que é 'escravo' da Constituição e tentará mudanças via emendas

Vinicius Neder e Roberta Pennafort, O Estado de S.Paulo

13 de outubro de 2018 | 13h08

RIO -  O candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, afirmou neste sábado, 13, que o candidato do PT, Fernando Haddad, tentou dividir o Brasil ao criticar  ao bispo Edir Macedo, da Igreja Universal do Reino de Deus, que apoia o capitão reformado no segundo turno das eleições. Além disso, disse que é "escravo" da Constituição, que tentará mudanças via emendas e proporá um novo modelo de urna eletrônica.

"A última divisão por parte do Haddad foi uma crítica aos evangélicos. Ele usou uma figura de uma autoridade do meio evangélico. Nós temos que unir a todos, não interessa a religião, cor de pele, opção sexual", afirmou Bolsonaro, em referências a críticas do petista . A Universal rebateu em nota as declarações do candidato

O presidenciável do PSL voltou a comentar a escalada de casos de violência motiva por disputas políticas. "Lamento essas agressões. Gostaria que elas parassem", afirmou Bolsonaro. " Apelo a todos do Brasil que deixem as paixões de lado. Não estamos disputando um Fla-Flu."

Debates 'sem interferência'

Bolsonaro disse também que concorda em ir a debates "sem interferência externa", referindo-se à suposta influência do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na campanha de  Haddad. Ele afirmou ainda que num governo petista quem escolheria os ministros seria Lula.

"Se for debate só eu e ele (Haddad), sem interferência externa  (de Lula), eu topo comparecer. Estou pronto para debater; tem que ser sem participação de terceiros", disse, em meio a uma gravação de programas eleitoral na casa do empresário Paulo Marinho, no Jardim botânico, bairro da zona sul do Rio.

"(Se Haddad vencer), quem vai escalar time de ministros será o Lula. Não adianta (ele) ter boas propostas se vai ter indicação política", continuou. "O mais  importante é ter independência para escalar um time de ministros componentes."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.