AP Photo/Nelson Antoine
AP Photo/Nelson Antoine

Universal rebate críticas de Haddad e lembra que Edir Macedo apoiou Lula

Igreja diz que candidato do PT desrespeitou fiéis ao dizer que 'Bolsonaro é o casamento do neoliberalismo desalmado representado pelo Paulo Guedes, que corta diretos trabalhistas e sociais, com o fundamentalismo charlatão do Edir Macedo'

Daniel Weterman, O Estado de S.Paulo

12 Outubro 2018 | 20h26

A Igreja Universal do Reino de Deus rebateu, em nota divulgada nesta sexta-feira, 12, as críticas do candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad ao líder da igrejaEdir Macedo. Em entrevista ao participar de uma missa católica na zona sul de São Paulo, por ocasião do feriado de Nossa Senhora Aparecida, Haddad criticou o apoio do bispo à candidatura de Jair Bolsonaro, do PSL"Bolsonaro é o casamento do neoliberalismo desalmado representado pelo Paulo Guedes, que corta diretos trabalhistas e sociais, com o fundamentalismo charlatão do Edir Macedo", afirmou Haddad. No evento, o petista também chegou a discutir com uma fiel que o chamou de "abortista". 

"Com sua fala criminosa, o ex-prefeito de São Paulo desrespeita não apenas os mais de 7 milhões de adeptos da Universal apenas no Brasil, mas todos os brasileiros católicos e evangélicos que não querem a volta ao poder de um partido político que tem como projeto a destruição dos valores cristãos", disse a Igreja em nota. "Quando o Bispo Edir Macedo apoiou o Partido dos Trabalhadores (PT) e o ex-presidente Lula, o apoio era muito bem-vindo. Agora, quando o líder espiritual da Universal declara que seu candidato é Jair Bolsonaro, o Bispo Macedo deve ser ofendido de forma leviana?"

 

Empenhado em fazer um aceno ao eleitorado religioso, Haddad  já havia participado na quinta-feira, 11, de um encontro com a Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Durante a missa da manhã desta sexta, discutiu com uma fiel que disse que o petista não poderia ter participado da comunhão por ser "um abortista". "Eu sou neto de um líder religioso", respondeu o candidato e emendou: "Você deve ser ateia."

Ao conversar com jornalistas, a mulher não quis se identificar e disse que a presença de Haddad no local era um sacrilégio. "A Igreja Católica não permite. Ele é um abortista, não tinha que estar aqui dentro", afirmou. Durante a missa e após a cerimônia, a mulher fez filmagens, transmissões ao vivo pelo celular para uma rede social e disse que iria "denunciar" o ato.

Após a cerimônia, Haddad fez um discurso em frente à igreja pedindo apoio dos fiéis. "Nunca deixei de olhar todo mundo. Todo mundo é igual, ninguém é melhor do que ninguém", disse.

Questionado sobre os ataques de Bolsonaro acusando a criação de um "kit gay" para ser distribuído nas escolas, Haddad retrucou: "É um grandessíssimo mentiroso. Porque ele não me enfrenta e pergunta isso num debate?". "É uma mentira deslavada de quem não tem projeto para o País, a não ser armar as pessoas para que elas se matem."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.