Revelações de Moro turbinam ação por impeachment de Bolsonaro no Supremo

Revelações de Moro turbinam ação por impeachment de Bolsonaro no Supremo

Advogados que cobram liminar para obrigar Maia a avaliar abertura de processo contra presidente recebeu atualização para incluir denúncias feitas pelo ex-ministro durante anúncio de demissão

Rafael Moraes Moura/BRASÍLIA e Paulo Roberto Netto/SÃO PAULO

24 de abril de 2020 | 14h54

As declarações do ex-ministro Sérgio Moro sobre a tentativa de interferência de Jair Bolsonaro no comando da Polícia Federal turbinaram a ação sobre o impeachment do presidente no Supremo Tribunal Federal (STF). Nesta sexta, 24, os advogados José Rossini Campos e Thiago Santos de Pádua incluíram no processo as acusações feitas pelo ex-ministro durante anúncio de demissão.

O caso é visto com preocupação no Planalto após o relator do processo, ministro Celso de Mello, cobrou manifestação do presidente da Câmara, Rodrigo Maia. O objetivo da ação é obrigar o Congresso a avaliar um pedido de afastamento de Bolsonaro. Segundo ministros ouvidos reservadamente pelo Estado, o fato do decano não ter arquivado a ação de imediato dá sinais que o caso deve ter prosseguimento na Corte, com desfecho imprevisível.

Rossini e Pádua alegam que as declarações de Moro sobre a atuação de Bolsonaro contra a autonomia da Polícia Federal para obter informações sigilosas e interferir em investigações lembra o caso Watergate, escândalo político que levou à renúncia do presidente americano Richard Nixon em agosto de 1974.

“É imperioso que este Supremo Tribunal adote medida urgente e eficaz para prevenir atos que seguramente serão tomados por um Presidente que demonstra não possuir controle algum”, afirmam os advogados. “O caso do Presidente Jair Bolsonaro, a propósito, é bastante similar, sendo um claro e gravíssimo crime de responsabilidade”.

O presidente Jair Bolsonaro deixa o Palácio do Alvorada. Foto: Evaristo Sá / AFP

A dupla afirma que a conduta do presidente ‘é grave o suficiente para ficar comprovada a reiteração do crime de responsabilidade’.

Segundo os advogados, se Bolsonaro não for ‘imediatamente afastado de algumas de suas funções’, ele poderá ‘causar danos irreversíveis ao sistema constitucional’.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: