Procuradoria denuncia quatro por fraude à licitação na Operação Acrônimo

Procuradoria denuncia quatro por fraude à licitação na Operação Acrônimo

Dono de gráfica, seu irmão e funcionária, além de ex-reitor da UFJF, vão responder também por organização criminosa e corrupção caso Justiça aceite denúncia do Ministério Público Federal

Julia Affonso e Fausto Macedo

09 de agosto de 2018 | 12h20

Universidade Federal de Juiz de Fora. Foto: UFJF

A Procuradoria da República no Distrito Federal denunciou Benedito Rodrigues de Oliveira Neto, o Bené, dono da Gráfica e Editora Brasil, Romeu José de Oliveira, irmão do empresário, Vanessa Daniella Pimenta Ribeiro, funcionária da gráfica, e o ex-reitor da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) Henrique Duque de Miranda Chaves. Todos são investigados na Operação Acrônimo e são acusados de crimes de fraude à licitação, organização criminosa e corrupção.

A Acrônimo teve início com a apreensão pela PF de R$ 116 mil com Bené e outras pessoas quando pousavam em um jatinho particular, em outubro de 2014, no aeroporto de Brasília. A ação deu origem a investigação que revelou pagamentos indevidos de empresas para o então recém eleito governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT). Bené assinou um acordo de colaboração com o MPF e detalhou o esquema.

Segundo divulgou a Procuradoria, a denúncia se baseou em inquérito policial ‘no qual demonstrou-se que houve direcionamento no pregão eletrônico nº 294/2012 da UFJF, com o conhecimento e auxílio do ex-reitor, com o objetivo de frustrar o caráter competitivo do certame, para que a Gráfica Brasil se sagrasse vencedora’.

O MPF afirma que Benedito e Vanessa participaram ativamente na confecção do projeto básico e do termo de referência, de modo “a direcioná-lo para a Gráfica Brasil”. Os recursos do contrato eram da ordem de R$ 38 milhões”

“Em troca, Henrique Duque recebeu R$ 600 mil em vantagens indevidas, representando 5% do valor das faturas pagas. Os valores eram repassados pessoalmente, em Brasília, por Benedito ou por intermédio de seu irmão Romeu”, afirma a Procuradoria.

De acordo com a investigação, ‘além de reuniões dos denunciados para acertar os detalhes do direcionamento do certame, um representante de outra empresa à época dos fatos corrobora a prática dos crimes ao afirmar que foi convidado por Benedito a participar do pregão antes mesmo da publicação do edital’.

A empresa participou, mas foi inabilitada por não ter cumprido todos os requisitos impostos no edital. No entanto, foi subcontratada pela empresa de Benedito para prestar serviços.

Para o procurador da República autor da denúncia, Ivan Marx, se a empresa foi desclassificada por não cumprir as exigências do edital, não poderia ser subcontratada pela vencedora para prestar os mesmos serviços objetos da licitação. “Não há dúvidas de que fraudou-se o caráter competitivo do certame com o envolvimento de todos os denunciados”, explica.

Vanessa e Benedito Neto firmaram acordo de delação premiada, homologado pelo Superior Tribunal de Justiça em 16 de agosto e em 13 de maio de 2016, respectivamente.

Para Ivan Marx, a partir das colaborações, neste caso da nova denúncia, ‘foi possível colher elementos que permitiram evidenciar a autoria e materialidade dos delitos narrados nos acordos’.

O procurador destaca na denúncia que ‘é preciso analisar as premiações legais concedidas aos colaboradores, em especial o limite e a forma de cumprimento das eventuais penas privativas de liberdade que vieram a ser declaradas pela Justiça Federal’.

A reportagem está tentando contato com todos os denunciados. O espaço está aberto para manifestação.

COM A PALAVRA, O ADVOGADO ALEXANDRE DUQUE, QUE DEFENDE HENRIQUE DUQUE

“O professor Henrique Duque, entusiasta da liberdade de imprensa, reafirma a correção dos seus atos, e, em respeito às instituições, informa que sua defesa irá se manifestar nos autos, local adequado para tratar questões judiciais.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.