Marco Aurélio se recupera bem de cirurgia, mas não tem previsão de alta, informa hospital

Marco Aurélio se recupera bem de cirurgia, mas não tem previsão de alta, informa hospital

Decano do Supremo Tribunal Federal sofreu acidente doméstico e foi submetido a cirurgia que reparou os tendões do ombro direito, segundo equipe médica

Paulo Roberto Netto

03 de fevereiro de 2021 | 14h41

O ministro Marco Aurélio Mello, decano do Supremo Tribunal Federal (STF), se recupera bem de uma cirurgia no ombro direito realizada na manhã desta quarta, 3, em Brasília. Segundo o Hospital DF Star, os tendões do ministro foram reparados com sucesso. Não há, porém, previsão de alta.

Documento

O ministro sofreu um acidente doméstico que o levou à intervenção médica. O ortopedista Marcus Montenegro, chefe da equipe responsável pela operação, informou que o ministro ‘segue em excelente forma física’. “Por ser muito disciplinado na reabilitação, as chances de intercorrências são mínimas”, afirmou o médico na última segunda, 1º.

Em setembro, o ministro se submeteu a uma operação no joelho direito após sofrer uma lesão no menisco. A intervenção foi feita pela mesma equipe.

O ministro do Supremo Tribunal Federal, Marco Aurélio Mello. Foto: Dida Sampaio / Estadão

Na abertura da sessão plenária de hoje, o presidente da Corte, ministro Luiz Fux, desejou melhoras ao colega. “Quero informar a Vossas Excelências que o ministro Marco Aurélio está ausente por problemas de uma intervenção cirurgia e que tomei a liberdade de remeter um telegrama pela sua pronta recuperação”, disse Fux.

Marco Aurélio estará ausente no julgamento do Supremo sobre o direito ao esquecimento, que pauta a Corte nesta quarta. Ainda não há data para o retorno do ministro às suas funções.

O decano foi um dos quatro ministros do tribunal que, em movimento incomum, se recusou a sair de férias e decidiu seguir trabalhando durante o recesso do judiciário – o que na prática esvaziou os poderes do presidente da Corte, Luiz Fux, para análise de casos considerados urgentes durante o plantão.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.