Lula troca brincadeiras com juiz Bretas em primeiro depoimento pós-prisão e alega ‘momento de denuncismos’

Lula troca brincadeiras com juiz Bretas em primeiro depoimento pós-prisão e alega ‘momento de denuncismos’

Ex-presidente depôs nesta terça, 5, como testemunha de defesa do ex-governador Sérgio Cabral em ação penal sobre suposto esquema de propinas para escolha do Rio como sede da Olimpíada/16

Constança Rezende/RIO

05 Junho 2018 | 12h31

Lula. Foto: Constança Rezende/Estadão

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) mostrou descontração ontem em sua primeira aparição pós-prisão em um depoimento para o juiz da lava Jato do Rio, Marcelo Bretas. Com uma gravata com as cores do Brasil e um terno preto, Lula falou por cerca de 50 minutos por videoconferência da sede da Polícia Federal de Curitiba. A mesma gravata foi escolhida em seus primeiros encontros com o juiz Sérgio Moro, mas o clima com Bretas foi bem mais ameno do que costumam ser os encontros com o magistrado de Curitiba.

Lula diz a Bretas que ‘está em busca da verdade’

Os dois trocaram piadas e Bretas confessou até ser um ex-apoiador do Lula. O ex-presidente prestou depoimento como testemunha de defesa do seu antigo aliado, o ex-governador do Rio, Sérgio Cabral (MDB), na denúncia movida pelo Ministério Público Federal do Rio (MPF) decorrente da Operação Unfair Play. Ao juiz, ele negou conhecimento sobre o suposto de pagamento de US$ 2 milhões para delegados africanos votarem a favor do Brasil na escolha do Rio para sediar a Olimpíada de 2016.

Logo o início do depoimento deu o tom do que viria em seguida, quando Lula perguntou “este que é o juiz Marcelo Bretas?”, ao que o juiz respondeu: “Cuidado que estou ouvindo, hein?”. “Eu sei, estou vendo o microfone aqui na minha frente”, disse o ex-presidente.

Os momentos de descontração só foram quebrados por Bretas quando Lula respondia exaltando o seu lado político, ou quando ele fez críticas indiretas ao Ministério Público, como ao dizer que “estamos vivendo um momento de denuncismo”. “Só lamento que venha uma denúncia de corrupção de compra de membro de delegado oito anos depois. Eu, sinceramente, não sei quem fez a denúncia, não quero saber, não conheço, e como nós estamos vivendo um momento de denuncismo, em que muita gente..”, disse, antes de ser interrompido por Bretas.

Lula também fez piada ao lembrar que a sua gravata foi a mesma utilizada no evento em que elegeu o Rio como sede dos Jogos Olímpicos de 2016. “Eu carrego ela até ficar desmontando”, afirmou. O mesmo acessório também foi usado no evento pelo ex-presidente do Comitê Olímpico Brasileiro, Carlos Arthur Nuzman, que está preso pela operação, por Cabral e pelo ex-prefeito do Rio, Eduardo Paes (MDB).

Sérgio Cabral. FOTO: FABIO MOTTA/ESTADÃO

Já em outro momento, Lula disse que não havia um brasileiro hoje que estivesse mais em busca da verdade do que ele. “Estou cansado de mentiras e quero a verdade”, afirmou. “Hoje é fácil falar mal. É importante que as pessoas peguem as imagens de divulgação no dia que o Brasil conquistou o quanto os brasileiros choraram”. “Alguém que fala que foi uma trapaça é que não entende nada de nada e não entendeu o que vivemos”, afirmou o ex-presidente.

Os momentos de descontração, no entanto, não tiveram participação dos representantes do MPF presentes na audiência, que não riram das piadas feitas pelo ex-presidente. No final da audiência, Bretas agradeceu a postura de Lula no depoimento, disse que ele era “uma figura importante no País” e confessou até ser um ex-apoiador. “Sua história é relevante para todos nós e, para mim inclusive, que aos 18, 17 anos estava aqui no comício na Presidente Vargas (centro do Rio), com 1 milhão de pessoas usando boné e camiseta com o seu nome”, disse o juiz.

Lula aproveitou e fez um convite: “Quando eu fizer um comício agora, vou chamar o senhor para participar”, seguido de risos de quem acompanhava o depoimento. Já com o seu ex-aliado, Sérgio Cabral, Lula preferiu não fazer piadas. No único momento em que o juiz Bretas permitiu uma interação entre os dois, Cabral prestou condolências ao ex-presidente pela morte de Marisa Letícia, ao que este apenas se limitou em dizer “obrigado”.

No final do depoimento, Bretas escreveu em sua página do twitter que a audiência foi “tranquila e respeitosa por todos os participantes testemunha/réu/advogados/membros do MPF/juiz e demais presentes, exatamente como deve ser um ato judicial”. “O trabalho do Poder Judiciário não deve ser exercido com rancores ou paixões políticas”, afirmou.

Após a audiência Bretas aceitou um pedido feito por Cabral para conhecer o seu neto, filho recém-nascido do deputado federal Marco Antônio Cabral (MDB-RJ). O encontro foi realizado na própria sede da Justiça Federal, no centro do Rio. “Muita emoção para uma foto!!! Hoje tive a oportunidade de levar meu filho para conhecer o seu avô! Meu pai cometeu erros, mas foi o homem público que mais realizou por todo o Estado do Rio”, escreveu Marco Antônio em foto publicada do pai com o filho no instagram.

 

Mais conteúdo sobre:

Sérgio Cabraloperação Lava Jato