Juiz nega liberdade e manda Ricardo Coutinho para Penitenciária da Mangabeira

Juiz nega liberdade e manda Ricardo Coutinho para Penitenciária da Mangabeira

Em audiência de custódia realizada nesta sexta, 20, no Fórum Criminal de João Pessoa, ex-governador da Paraíba preso por suspeita de propinas e desvios de R$ 134 milhões da saúde alegou inocência

Pepita Ortega e Paulo Roberto Netto

20 de dezembro de 2019 | 17h58

O ex-governador da Paraíba Ricardo Coutinho foi transferido no início da tarde desta sexta, 20, para uma cela na Penitenciária de Segurança Média da Mangabeira, em João Pessoa. Durante audiência de custódia no Fórum Criminal, a defesa de Coutinho alegou sua inocência nos autos da Operação Calvário/Juízo Final, investigação que atribui a ele propinas em série e desvios de R$ 134 milhões da saúde durante seus dois mandatos, entre 2011 e 2018.

Penitenciária de Segurança Média da Mangabeira, em João Pessoa. Foto: Reprodução

Os advogados do ex-governador pediram revogação da prisão preventiva de Coutinho ou que ele fosse removido para uma Sala de Estado Maior em um Batalhão da Polícia Militar. O juiz Adilson Fabrício manteve o decreto de prisão e mandou Coutinho para a Penitenciária.

A defesa, agora, deverá tentar a liberdade para o ex-governador no Superior Tribunal de Justiça, Corte que autorizou buscas em endereços de três conselheiros do Tribunal de Contas da Paraíba e do atual governador, João Azevêdo, sucessor de Coutinho.

A Operação Juízo Final, fase 7 da Calvário, foi deflagrada na terça, 17, por ordem do desembargador Ricardo Vital de Almeida, do Tribunal de Justiça da Paraíba. O magistrado decretou a prisão de 17 envolvidos em suposta organização criminosa que seria liderada por Coutinho. Um irmão do ex-governador, Coriolano Coutinho, o ‘Cori’, é um dos investigados.

A Polícia Federal prendeu até agora 14 alvos.

Coutinho foi preso na noite desta quinta, 19, no Aeroporto de Natal, quando desembarcou de ‘viagem de férias’ na Europa.

Tudo o que sabemos sobre:

Ricardo CoutinhoParaíba [estado]

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: