Gebran solta Índio da Costa

Gebran solta Índio da Costa

Desembargador do Tribunal Regional Federal da 4ª Região dá habeas a ex-deputado federal preso na sexta, 6, alvo da Operação Postal Off, que mira fraudes nos Correios

Redação

12 de setembro de 2019 | 18h57

Indio da Costa. Foto: Nilton Fukuda / Estadão

O desembargador federal João Pedro Gebran Neto, da 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), concedeu na tarde desta quinta, 12, um habeas corpus ao ex-deputado federal Antonio Pedro Indio da Costa, revogando a sua prisão preventiva. O político estava preso desde o dia 6 de setembro por decisão proferida pela 7ª Vara Federal de Florianópolis.

As informações foram divulgadas pelo TRF-4.

Índio da Costa é alvo da Operação Postal Off que mira fraudes e prejuízos de R$ 13 milhões nos Correios.  Preso na sexta, 6, ele já foi candidato ao governo fluminense e à prefeitura da Rio e concorreu à vice-presidência de José Serra em 2010. Segundo a Procuradoria, o ex-parlamentar era o padrinho político da cúpula da empresa. 

No habeas corpus, a defesa de Indio da Costa requisitou a concessão de liberdade argumentando que o investigado não tem ligação com os demais envolvidos, já que a organização criminosa teria origem eminentemente no estado de Santa Catarina, onde ocorreram todos os fatos em apuração, local muito longe da área de atuação do ex-deputado. Os advogados dele acrescentaram que o político é primário, portador de bons antecedentes, possui residência fixa e exerce atividade profissional lícita, não existindo motivo concreto que justificasse a decretação da prisão preventiva.

O desembargador Gebran, relator do caso no TRF4, determinou, de forma liminar, a soltura do investigado, impondo a ele medidas cautelares diversas da prisão.

Pela decisão do magistrado, ficaram estabelecidas as seguintes medidas a Indio da Costa: pagamento de fiança, no montante 200 salários mínimos; comparecer a todos os atos do inquérito e do processo penal a que for solicitado; manter endereço, telefone e outros meios de comunicação informados e atualizados, para notificação dos atos de investigação e do processo; proibição de se comunicar com os demais investigados, bem como frequentar as dependências da EBCT; proibição de ausentar-se do país, independentemente da entrega de passaporte, e impedimento de exercício de função pública, ou suspensão se eventualmente estiver no exercício de cargo ou função.

Para Gebran, a prisão preventiva decretada baseou-se em “argumentos genéricos como a grande potencialidade lesiva da conduta supostamente praticada e seus nefastos reflexos sociais, havendo, ainda, suspeitas de reiteração da prática delitiva, deixando de apresentar, de forma objetiva, indicativos de que, caso o paciente fosse colocado em liberdade, colocaria em risco a ordem pública ou mesmo a aplicação penal”.

O desembargador ainda ressaltou que “a decisão que decretou a prisão preventiva carece de apresentação de justificativa específica em relação à custódia preventiva, malgrado tenha discorrido detalhadamente sobre fatos e autoria. Desse modo, viável a concessão de liberdade provisória ao paciente”.

Sobre as medidas cautelares fixadas, Gebran destacou que a imposição delas “se justifica para evitar que os agentes permaneçam na realização de condutas ilícitas, bem como evitar que pratiquem atos de aprofundamento dos crimes ou mesmo impedimento de sua apuração, dado que a organização contava com a participação de agentes públicos, com o exercício de função em elevado escalão da administração”.

Tudo o que sabemos sobre:

Índio da Costa

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: