Eduardo Cunha pede dois habeas no STF

Eduardo Cunha pede dois habeas no STF

Emedebista alega 'constrangimento ilegal' no Complexo Médico Penal em Pinhais, no Paraná

Rafael Moraes Moura/ BRASÍLIA

25 de julho de 2018 | 22h44

Eduardo Cunha. Foto: Dida Sampaio/Estadão

BRASÍLIA – A defesa do ex-deputado federal Eduardo Cunha (MDB-RJ) entrou no Supremo Tribunal Federal (STF) com dois habeas corpus para derrubar prisões decretadas em casos distintos, sob a alegação de que o emedebista está sofrendo “constrangimento ilegal” em virtude do encarceramento. Cunha está atualmente detido no Complexo Médico Penal em Pinhais, no Paraná.

Cláudia Cruz é condenada pelo Tribunal da Lava Jato

Como a presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, ocupará interinamente a Presidência da República até esta sexta-feira (27), caberá ao vice-presidente da Corte, ministro Dias Toffoli decidir nesse período sobre os casos considerados urgentes.

Se mantida, decisão de Favreto poderia favorecer Cunha, Geddel e outros presos pela Lava Jato

Em um dos pedidos, a defesa de Cunha questiona a prisão preventiva decretada pelo ministro Edson Fachin, do STF, em 17 de maio de 2017, quando foi deflagrada a Operação Patmos, com base na delação premiada do grupo J&F. Os delatores Joesley Batista e Ricardo Saud afirmaram que compraram o silêncio de Eduardo Cunha e do corretor Lúcio Funaro enquanto ambos estavam presos.

Câmara retira elogios de perfil de Eduardo Cunha

A outra prisão contestada pela defesa de Cunha diz respeito às investigações de desvios no Fundo de Investimento do FGTS. Cunha foi condenado por corrupção, violação de sigilo e lavagem de dinheiro pelo juiz federal Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal do DF.

Marco Aurélio manda soltar Eduardo Cunha, mas ex-deputado permanecerá preso

Vallisney negou no mês passado a Cunha o pedido de revogação de sua prisão, para “preservar não apenas a ordem pública e a aplicação da lei penal, mas também a ordem econômica”, apontando que o réu tem controle de eventual conta no exterior, havendo o risco de movimentação dos valores, conseguidos de forma ilícita.

Para a defesa de Cunha, a prisão viola o princípio da presunção de inocência. (Rafael Moraes Moura)