Direto da PF, onde está preso, Lula depõe hoje por ex-aliado Cabral

Direto da PF, onde está preso, Lula depõe hoje por ex-aliado Cabral

Ex-presidente foi arrolado como testemunha do ex-governador do Rio no processo da Operação Unfair Play, mas audiência não será na Justiça Federal de Curitiba, como acontece nos processos da Lava Jato

Luiz Vassallo, Julia Affonso e Ricardo Brandt

05 Junho 2018 | 05h00

Lula. Foto: REUTERS/Leonardo Benassatto

O ex-presidente Lula depõe nesta terça-feira, 5, por videoconferência, como testemunha de defesa de seu antigo aliado, o ex-governador do Rio Sergio Cabral (MDB). O depoimento do petista não será realizado na sede da Justiça Federal em Curitiba, como é usual entre os presos da Lava Jato, mas na própria sede da Polícia Federal, onde ele está preso desde 7 de abril.

+ ‘PT vai utilizar as eleições para fazer a defesa do Lula’
+ Juiz impõe multa de R$ 5,5 mi ao PT e à CUT por vigília na PF

O depoimento de Lula está marcado para ter início às 10h da manhã, transmitido para a Justiça Federal do Rio, onde corre a ação contra Cabral. Equipamento de filmagem foi montado na sede da PF em Curitiba, onde o ex-presidente cumpre pena de 12 anos e um mês de reclusão no caso triplex, para que ele preste declarações sobre o emedebista.

+ ‘Temer não vai ter influência na sua própria sucessão’, diz cientista político

Havia uma grande expectativa sobre um eventual deslocamento do ex-presidente da sede da PF até a Justiça Federal. Seria a primeira vez que Lula deixaria a prisão, desde que lá chegou há quase dois meses.

+ Gregório Duvivier mostra filha brincando com bonequinho de ‘Lula’

Ele deve falar sobre Cabral nos autos de ação penal na Operação Unfair Play, deflagrada contra esquema de compra de votos para a escolha do Rio como sede olímpica de 2016.

+ Lula está ‘perplexo’ com desabastecimento no País, diz deputado após visita na PF

De acordo com a denúncia, o ex-governador, o ex-presidente do Comitê Olímpico do Brasil (COB) Arthur Nuzman e o diretor de operações e marketing do COB Leonardo Gryner solicitaram diretamente ao empresário Arthur Soares propina de US$ 2 milhões para os senegaleses Papa Diack e Lamine Diack. O valor garantiria votos para o Rio.

Mais conteúdo sobre:

LULA [LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA]