André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Lula está 'perplexo' com desabastecimento no País, diz deputado após visita na PF

Paulo Pimenta (PT-RS) liderou comissão de deputados que foram inspecionar condições em que o ex-presidente está preso

Marcelo Osakabe, O Estado de S.Paulo

29 Maio 2018 | 21h13

SÃO PAULO - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva demonstrou "perlexidade" com o desabastecimento de combustível, alimentos e medicamentos que atinge algumas partes do País em consequência da greve dos caminhoneiros, afirmou na terça-feira, 29, o deputado Paulo Pimenta (PT-RS).

+ Desembargador devolve a Lula benefícios de ex-presidente

Pimenta liderou a comissão externa de deputados que foi à sede da superintendência da Polícia Federal em Curitiba (PR) para inspecionar as condições em que o líder petista se encontra encarcerado desde que se entregou, no início de abril. Ele esteve acompanhado de Silvio Costa (Avante), Jandira Feghali (PCdoB), Weverton Rocha (PDT), Orlando Silva (PCdoB), Benedita da Silva (PT), José Mentor (PT) e Odorico Monteiro (PSB). A visita durou cerca de duas horas.

Apesar de demonstrar preocupação com o tema, ele foi abordado "de maneira muito genérica" na conversa de Lula com os parlamentares, disse Pimenta. "Falamos sobre o estado do País e a política da Petrobras, que fez o Brasil se tornar importador de combustível, especialmente do diesel", relatou o deputado.

+ Lei não permite registro de candidato condenado em segunda instância, diz Cármen Lúcia

Tambem presente na comitiva, o deputado José Mentor confirmou que os presentes teriam apenas feito "considerações gerais" sobre a manifestações, que já duram nove dias. "Ele não fez uma avaliação sobre o movimento em si. Fez uma avaliação geral, sobre a crise que o Brasil está vivendo, um governo sem credibilidade para decidir as coisas", comentou.

+ Governadores cobram e PT leva a Lula ‘plano B’

Pimenta disse que os caminhoneiros têm uma pauta justa e que vão apoiar esse e outros movimentos como a greve dos petroleiros, que começa amanhã, 30. Questionado sobre a possibilidade de que essas manifestações evoluam para uma greve Geral, o petista mimimizou. "Não sei, acho que é muito precipitado para isso", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.