‘Deputado me deve R$ 1 milhão por campanha de 2012’, diz empresário

‘Deputado me deve R$ 1 milhão por campanha de 2012’, diz empresário

Após relato de Domingos Sávio à Polícia Federal, Supremo Tribunal Federal instaurou inquérito para investigar suposta corrupção e lavagem de dinheiro do deputado Rogério Marinho

Luiz Vassallo, Amanda Pupo, Teo Cury e Breno Pires

07 Março 2018 | 05h45

Dep. Rogério Marinho (PSDB-RN) FOTO Cleia Viana /Câmara dos Deputados

O deputado federal Rogério Marinho (PSDB-RN) será investigado após um empresário que prestou serviços à sua campanha à Prefeitura de Natal, em 2012, admitir à Polícia Federal que o parlamentar tem com ele uma dívida de R$ 1 milhão referente ao pleito. O inquérito foi instaurado pelo ministro Gilmar Mendes.

+ Kodama mira chefe do Ibama apadrinhado por deputado tucano

Documento

Domingos Sávio da Costa Souza foi um dos alvos da Operação Manus, deflagrada em julho de 2017, que prendeu o ex-presidente da Câmara Henrique Eduardo Alves (PMDB).  O peemedebista é acusado de propinas, por meio de caixa dois, oriundas de desvios de R$ 77 milhões equivalentes ao sobrepreço na construção da Arena das Dunas – uma das obras para a Copa do Mundo de 2014.

+ Para relator da reforma, proposta do TST é um ‘desastre’

O empresário tem três empresas que ficam em um mesmo endereço na rua da Saudade, em Natal, e prestaram serviços no valor de R$ 4,9 milhões a Henrique Alves na campanha de 2014 ao governo estadual do Rio Grande do Norte. Os endereços foram alvo de busca e apreensão.

+ Deputado tucano sai em defesa de chefe do Ibama afastado por corrupção

Enquanto vasculhava os imóveis em busca de provas contra Henrique Alves, a PF encontrou arquivos que citam a campanha de Rogério Marinho à Prefeitura de Natal, em 2012.

+ STF começa pente-fino sobre foro privilegiado

Os investigadores apontaram, em relatório que, em um dos arquivos apreendidos, constam gastos de R$ 1,9 milhão ’em espécie’ e ‘oficiais’ da campanha de Marinho com uma das empresas de Domingos. Segundo o TSE, naquele ano, foram registrados apenas R$ 499 mil.

O empresário foi chamado para depor e ‘disse que Rogério Marinho lhe deve um milhão e meio de reais em razão dos serviços prestados na campanha eleitoral de 2012’. “Ele confirmou então que houve prestação de serviços na campanha, parte do qual não foi pago”, relata a PF.

Questionado pelos investigadores sobre ‘quem efetuava os pagamentos em espécie na campanha eleitoral de Rogério Marinho’, Domingos respondeu que ’em parte era Emilson, ex-vereador e assessor do candidato’.

A PF destaca, em relatório, que Emilson Medeiros dos Santos e Washington Cavalcanti Dias, apontados por operar para Marinho, são assessores do deputado, que teve mandato de suplente na Câmara na legislatura de 2011 a 2015.

“Nesse contexto, há de se apurar a origem dos recursos de “Caixa 2″ utilizados por Rogério Marinho, esclarecer se a percepção dos valores guarda relação com o exercício do mandato e, também, se houve utilização de terceiros para movimentar recursos de origem criminosa, fatos típicos de corrupção passiva e lavagem de dinheiro”, afirma a PF.

Ao instaurar o inquérito, no dia 2 de março, o ministro Gilmar Mendes disse ver ‘elementos suficientes portanto, a instauração do investigações para corroborar a suspeita’.

COM A PALAVRA, ROGÉRIO MARINHO

A reportagem entrou em contato com o deputado. O espaço está aberto para manifestação.

 

Mais conteúdo sobre:

Rogério Marinho