Com Geddel na fila, Bahia prevê chegada de tornozeleira só em agosto

Com Geddel na fila, Bahia prevê chegada de tornozeleira só em agosto

Ex-ministro do Governo Temer, sob suspeita de pressionar mulher do doleiro Lúcio Funaro para barrar delação premiada, continua sem vigilância eletrônica

Julia Affonso

18 de julho de 2017 | 17h10

Geddel Vieira Lima. Foto: Dida Sampaio/Estadão

A Secretaria de Administração Penitenciária e Ressocialização da Bahia informou nesta terça-feira, 18, que ‘ainda não possui tornozeleiras eletrônicas’. Em nota, a Pasta afirmou que ‘abriu duas licitações para aquisição do serviço de monitoramento eletrônico’. O ex-ministro Geddel Vieira Lima (Governo Michel Temer), em prisão domiciliar em Salvador, aguarda um equipamento.

Segundo a secretaria, a primeira licitação ‘visa a aquisição de 300 tornozeleiras eletrônicas com recurso federal e estadual, e a segunda, prevê a obtenção de 3.200 tornozeleiras com recurso próprio do Governo do Estado’.

“A primeira licitação está em fase final de homologação e a Seap prevê a chegada do equipamento no mês de agosto, do ano corrente. Quanto a segunda licitação, ainda não é possível estipular o prazo em virtude dos trâmites legais do processo licitatório. Mais informações sobre os processos licitatórios só poderão ser divulgados após publicação do resultado no Diário Oficial do Estado”, informou a Pasta.

PF diz à Justiça que não tem tornozeleira para Geddel na Bahia

Geddel ganha tornozeleira, mas não pode usar telefone

Desembargador manda Geddel para casa mesmo sem tornozeleira

Geddel ganhou domiciliar após dez dias preso na Papuda, em Brasília, por ordem do juiz Vallisney Oliveira, da 10.ª Vara Federal do DF. O ex-ministro está sob suspeita de pressionar a mulher do doleiro Lúcio Funaro, Raquel Pitta, para evitar que ele faça delação premiada.

OUTRAS DO BLOG: + Moro compara Lula a Eduardo Cunha

Moro decide que R$ 16 mi do caso triplex vão para os cofres da Petrobrás

Juiz da Lava Jato veta ‘milhares’ de documentos da Petrobrás que Lula queria juntar em ação

O desembargador Ney Bello, do Tribunal Regional Federal da 1.ª Região (TRF1), havia dado prazo de 48 horas para a PF instalar a peça no tornozelo de Geddel. Mas, na sexta-feira, 14, a Polícia Federal em Salvador afirmou em nota que ‘tal função não é afeta à atividade de polícia judiciária desempenhada pela Polícia Federal, e sim ao sistema prisional, seja ele o federal ou o estadual’.

“Registra-se que essa impossibilidade de cumprimento da decisão proferida para monitoramento eletrônico do senhor Geddel Quadros Vieira Lima – assim como já ocorrido em outros casos similares –, foi informada à 10.ª Vara Federal do Distrito Federal na data de hoje”, disse a nota da PF na ocasião.