Moro veta ‘milhares’ de documentos da Petrobrás que Lula queria juntar em ação

Moro veta ‘milhares’ de documentos da Petrobrás que Lula queria juntar em ação

Juiz da Lava Jato considera 'irrelevantes para o julgamento'' arquivos de contratos bilionários da estatal que defesa do petista pretendia anexar ao processo sobre compra de terreno pela Odebrecht supostamente destinado à futura sede do Instituto Lula

Fausto Macedo, Julia Affonso e Luiz Vassallo

18 Julho 2017 | 16h32

Lula e Moro. Fotos: Estadão

O juiz federal Sérgio Moro, da Operação Lava Jato, rejeitou pedido da defesa de Lula e não permitiu a juntada de ‘milhares de documentos’ da Petrobrás nos autos do processo criminal sobre o terreno que a empreiteira Odebrecht comprou para supostamente abrigar uma futura sede do Instituto Lula.

Documento

Nesta ação são oito os réus, entre eles Lula, o empreiteiro Marcelo Odebrecht, o ex-ministro Antônio Palocci Filho (Fazenda e Casa Civil/Governos Lula e Dilma), e Glaucos da Costa Marques, primo do pecuarista José Carlos Bumlai.


CASO TRIPLEX: + Procuradoria diz a Moro que vai apelar por pena maior a Lula

Pelos critérios de Lula, ex-diretores da Petrobrás devem ser absolvidos, diz Moro

+ Juiz da Lava Jato compara Lula a Eduardo Cunha

Moro diz 9 vezes a Lula que ‘não há omissão, obscuridade ou contradição’ na sentença

Em longa petição, a defesa do ex-presidente insistiu no acesso à documentação integral ‘desses contratos bilionários e dos procedimentos de licitação e, subsidiariamente, indica centenas ou milhares de documentos que pretende ter acesso’.

” A ver deste Juízo, persiste a defesa na requisição de centenas ou mesmo milhares de documentos irrelevantes para o julgamento”, assinalou Moro na decisão em que rechaça a pretensão dos advogados do petista.

Em seu despacho, o juiz da Lava Jato manda um duro recado aos defensores do ex-presidente. “Ao invés de discutir as questões de fato relevantes no feito, (a defesa) busca ou provocar incidentes de cerceamento de defesa ou a produção de provas
desnecessárias.”

Moro destacou que ‘não se vislumbra relevância e pertinência na juntada aos autos de mais centenas ou milhares de documentos sobre os contratos da Petrobrás mencionados na inicial, quando os presentes nos autos já são suficientes para a avaliação dos fatos, considerando os termos da imputação.”

Mais conteúdo sobre:

operação Lava JatoLula