Casa onde polícia prendeu Queiroz foi comprada por advogado de Flávio Bolsonaro em 1987 por CZS 500 mil

Casa onde polícia prendeu Queiroz foi comprada por advogado de Flávio Bolsonaro em 1987 por CZS 500 mil

Frederick Wassef adquiriu imóvel no interior de São Paulo durante governo Sarney, na era do cruzado; na escritura lavrada no Cartório de Registro de Imóveis de Atibaia declarou-se 'estudante'

Rayssa Motta e Fausto Macedo

18 de junho de 2020 | 18h36

A casa onde Queiroz foi preso pertence à Wassef há mais de três décadas. Foto: Polícia Civil de São Paulo

A casa onde a polícia prendeu, na manhã desta quinta-feira, 18, o ex-assessor parlamentar Fabrício Queiroz, pivô do suposto esquema de ‘rachadinhas’ que arrastou o gabinete do então deputado estadual Flávio Bolsonaro para o centro de uma investigação criminal, pertence ao advogado Frederick Wassef desde 1987.

Há pouco mais de três décadas, o imóvel localizado na Rua das Figueiras, número 644, em Atibaia, no interior de São Paulo, avaliado em 500 mil cruzeiros, foi comprado pelo então ‘estudante’, segundo consta na escritura lavrada no Cartório de Registro de Imóveis de Atibaia.

Wassef defende Flávio Bolsonaro no caso das ‘rachadinhas’, que levou à prisão que Queiroz, o que levanta a suspeita sobre uma possível troca de informações entre investigados – que poderia configurar tentativa de obstrução de Justiça.

Como o Estadão divulgou mais cedo, o advogado afirmou, em ao menos duas ocasiões no ano passado, desconhecer o paradeiro de Queiroz.

Sempre veemente na defesa do ‘filho 01 do presidente’, Wassef desapareceu nesta quinta-feira depois da prisão de Queiroz em sua propriedade de Atibaia. O advogado não atendeu o celular nem emitiu nota de esclarecimento sobre a guarida dada ao ex-PM.

Tudo o que sabemos sobre:

Frederick Wassef

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: