‘Aquela contribuição tá sendo repassada?’; ouça Ricardo Coutinho cobrando mesada de R$ 360 mil

‘Aquela contribuição tá sendo repassada?’; ouça Ricardo Coutinho cobrando mesada de R$ 360 mil

Ex-governador da Paraíba, foragido, foi gravado por um interlocutor, Daniel Gomes, operador da Cruz Vermelha Brasil, em 30 de setembro de 2015, ajustando propina na gestão do Hospital de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena; áudio foi divulgado pelo portal ‘Polítika’

Pedro Prata e Fausto Macedo

19 de dezembro de 2019 | 14h13

Um áudio gravado por Daniel Gomes, operador da Cruz Vermelha do Brasil no Rio Grande do Sul e do Instituto de Psicologia Clínica Educacional e Profissional, em 30 de setembro de 2015, mostra o ex-governador da Paraíba, Ricardo Coutinho (PSB), cobrando propina de R$ 360 mil mensais sobre a gestão do Hospital de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena. Coutinho, que está fora do País e consta como foragido, teve a prisão preventiva decretada na sétima fase da Operação Calvário, Juízo Final, que apura desvios de R$ 134 milhões da Saúde. Áudio foi obtido pelo portal ‘Polítika’.

OUÇA RICARDO COUTINHO COBRAR A MESADA DE DANIEL GOMES:

Daniel Gomes seria integrante do ‘núcleo econômico’ da organização criminosa liderada pelo ex-governador, segundo o Ministério Público. Entre 2011 e 2019, o Estado da Paraíba gastou R$ 980 milhões com a Cruz Vermelha. Para o Instituto, entre 2014 e 2019, foram desembolsados R$ 270 milhões.

Os investigadores afirmam que Daniel recebeu a incubência de analisar os gastos do futuro chamamento público para o contrato de gestão do Hospital de Emergência e Trauma. “Após apresentar os valores a Ricardo Coutinho, haveria se acertado, entre eles, uma propina mensal de aproximadamente R$ 350 mil. A análise do custo mensal do nosocômio teria sido, aproximadamente, R$ 6,9 milhões, no qual já estaria computado o custo da suposta propina acordada.”

Ricardo Coutinho, ex-governador da Paraíba, é apontado como líder de organização criminosa que desviou mais de R$ 134 mi da Saúde. Foto: José Cruz/Agência Brasil

O acerto dos valores indevidos teria comprovação por um áudio ambiental gravado pelo próprio Daniel.

ACOMPANHE:

RICARDO: Me diz uma coisa, aquela contribuição tá sendo repassado?

DANIEL: Eu tô… se não falha a memória, com 800 em aberto com Livânia… RICARDO:Tá em aberto?

DANIEL: em aberto, 800, mas ela sabe direitinho… tô com a planilha… eu tô repassando pingado… eu só pedi pra ela segurar um pouquinho…

RICARDO: Tá repassando… ah é… em qual o mês, o último?

DANIEL: O último foi R$ 120.000,00 em agosto, no início de agosto, eu tenho planilha de tudo isso, se o senhor quiser, viu? …eu… eu tenho salvo na minha pendrive… eu tenho salvo também,

RICARDO: Teve nenhuma despesa nossa, né? …não precisa tá… nunca teve acesso…

DANIEL: Não, é… o nosso total é 360 por mês.

RICARDO:É…

DANIEL: … e eu só tô em aberto com 800… na realidade… porque a gente… na realidade governador… teve uma parte… não sei se o senhor lembra, né? …que a gente antecipou da… da campanha…

RICARDO: É!

DANIEL: …que acabou em maio desse ano… então o que teria… de junho, julho, agosto… o campo… o mês competência, né? …junho que é pago em julho, julho que é pago em agosto… aí eu… mesmo… mesmo não… ainca tando na competência… aí fui mandando algumas coisinhas, que já tava em João Pessoa, pra não ter que levar isso pra outro local, eu já fiquei adiantando pra ela… o último que teve foi 12 posso depois lhe mandar…

Foto: TJ-PB/Reprodução

Já em 2011, Ricardo Coutinho teria sido convidado por Daniel Gomes para implementar o sistema de Organizações Sociais na Paraíba. A contratação da Organização Social seria definida pelo colaborador em conjunto com Livânia Farias, Jovino Neto e Waldson Souza.

“Verificou-se que o melhor modelo para atender aos interesses da empresa criminosa seria a utilização da gestão pactuada”, explica a promotoria, “opção cuja implantação seria facilitada pela existência de uma certa estrutura normativa no Estado da Paraíba, carecendo apenas de alguns ajustes”.

COM A PALAVRA, RICARDO COUTINHO

Em sua página no Instagram, o ex-governador da Paraíba postou.

“Fui surpreendido com decisão judicial decretando minha prisão preventiva em meio a uma acusação genérica de que eu faria parte de uma suposta organização criminosa.

Com a maior serenidade digo ao povo paraibano que contribuirei com a justiça para provar minha total inocência. Sempre estive à disposição dos órgãos de investigação e nunca criei obstáculos a qualquer tipo de apuração.

Acrescento que jamais seria possível um Estado ser governado por uma associação criminosa e ter vivenciado os investimentos e avanços nas obras e políticas sociais nunca antes registrados.
Lamento que a Paraíba esteja presenciando o seu maior período de desenvolvimento e elevação da autoestima ser totalmente criminalizado.

Estou em viagem de férias previamente programada, mas estarei antecipando meu retorno para me colocar à inteira disposição da justiça brasileira para que possa lutar e provar minha inocência.

Ricardo Vieira Coutinho”

COM A PALAVRA, O PSB

Por meio de nota, a assessoria de comunicação do PSB informou. “Em face da Operação Calvário, deflagrada pela Polícia Federal na manhã desta terça-feira, 17, no Estado da Paraíba, o Partido Socialista Brasileiro reafirma, como sempre, seu total apoio à apuração dos fatos, respeitados o devido processo legal e o amplo direito de defesa. O PSB reitera sua confiança na conduta do ex-governador Ricardo Coutinho e dos demais investigados e investigadas, na certeza de que uma apuração isenta e justa resultará no pleno esclarecimento das denúncias.”

Tudo o que sabemos sobre:

Ricardo Coutinho

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: