Vídeo de recepção a Bolsonaro em aeroporto foi gravado em 2017, no Brasil, e não no Equador

Vídeo de recepção a Bolsonaro em aeroporto foi gravado em 2017, no Brasil, e não no Equador

Filmagem divulgada nas redes sociais mostra visita do atual presidente a Natal, no Rio Grande do Norte, antes do início de seu governo

Cindy Damasceno, especial para o Estadão

28 de maio de 2021 | 19h05

Imagens de uma visita de Jair Bolsonaro a Natal, no Rio Grande do Norte, em 2017, circulam fora de contexto nas redes sociais. No Facebook, a gravação tem sido compartilhada em postagens que afirmam se tratar da recepção ao presidente em Quito, no Equador — o que é falso.

A gravação mostra uma grande concentração de pessoas em um aeroporto. Alguns usam camisetas com o rosto de Bolsonaro, e outros se empurram para tentar tirar uma foto com o presidente. No início do vídeo, é possível ver um guichê da empresa Serra Dourada, de locação de automóveis, que tem uma unidade no aeroporto de Natal (veja no site da locadora).

Registros com imagens parecidas ao vídeo viral foram publicados no perfil oficial do presidente no Twitter em 8 de junho de 2017. “Chegando no aeroporto de Natal – RN. Obrigado sempre”, escreveu o então deputado federal na postagem. À época, o Estadão acompanhou a visita de Bolsonaro à capital potiguar.

Nesta semana, Bolsonaro viajou a Quito para acompanhar a posse do novo presidente equatoriano, Guillermo Lasso. A comitiva brasileira chegou ao Aeroporto Internacional de Quito no último domingo, 23, como mostrou o G1. Todos os representantes usavam máscara de proteção, o que não é visto no vídeo retirado de contexto.

O Aos fatos e AFP Checamos também verificaram essa informação.


Este boato foi checado por aparecer entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e a dados sobre sua viralização em razão de uma parceria com a rede social. Quando nossas verificações constatam que uma informação é enganosa, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Usuários da rede social e administradores de páginas recebem notificações se tiverem publicado ou compartilhado postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado a quem quiser postar um conteúdo que tiver sido sinalizado como inverídico anteriormente.

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook  é obter certificação da International Fact Checking Network (IFCN), o que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige das entidades certificadas que assinem um código de princípios e assumam compromissos em cinco áreas:  apartidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência do financiamento e organização; transparência da metodologia; e política de correções aberta e honesta. O comprometimento com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.