Postagem exagera votação de Thammy Miranda em eleição para Câmara dos Vereadores de SP
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Postagem exagera votação de Thammy Miranda em eleição para Câmara dos Vereadores de SP

Candidato se tornou o primeiro homem trans eleito vereador de São Paulo, com 43 mil votos, a nona maior votação da capital

Pedro Prata

23 de novembro de 2020 | 11h46

Um texto viral engana ao afirmar que Thammy Miranda (PL), vereador eleito na cidade de São Paulo, tenha sido o candidato com mais votos nas eleições 2020. O empresário Thammy, filho da cantora Gretchen, recebeu a nona maior votação na capital. Ele se tornou o primeiro homem trans eleito à Câmara dos Vereadores de São Paulo. O campeão de votos na cidade foi Eduardo Suplicy (PT), que pela terceira vez foi o vereador mais votado no País.

Este conteúdo foi compartilhado ao menos 1,2 mil vezes no Facebook. O texto também erra ao se referir a Thammy com pronomes femininos; ele é um homem trans.

Foto: Reprodução

Thammy Miranda concorreu pelo Partido Liberal (PL) com o número de urna 22.000. Dados oficiais do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) mostram que ele foi eleito com 43.321 votos, não 45 mil, como diz o texto viral. Esta foi a nona maior quantidade de votos deste ano.

Essa foi a segunda vez que Thammy concorreu à Câmara de Vereadores. Em 2016, ele se candidatou pelo Partido Progressista (PP). Na ocasião, recebeu 12.408 votos e ficou em 7º lugar de suplente.

Outra pessoa trans, Érika Hilton (PSOL) também foi eleita. Ela teve 50.508 votos, a sexta maior votação entre os candidatos a vereador. Entre as mulheres, ela foi a mais votada.

Este boato foi checado por aparecer entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e a dados sobre sua viralização em razão de uma parceria com a rede social. Quando nossas verificações constatam que uma informação é enganosa, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Usuários da rede social e administradores de páginas recebem notificações se tiverem publicado ou compartilhado postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado a quem quiser postar um conteúdo que tiver sido sinalizado como inverídico anteriormente.

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook  é obter certificação da International Fact Checking Network (IFCN), o que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige das entidades certificadas que assinem um código de princípios e assumam compromissos em cinco áreas:  apartidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência do financiamento e organização; transparência da metodologia; e política de correções aberta e honesta. O comprometimento com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.