Entrevista com Elon Musk viraliza com legendas falsas para elogiar motociata em SP

Entrevista com Elon Musk viraliza com legendas falsas para elogiar motociata em SP

Em vídeo, bilionário falava sobre fábrica da Tesla na Alemanha; conteúdo não tem relação com ato organizado por apoiadores de Bolsonaro

Gabi Coelho

02 de maio de 2022 | 16h40

Nas redes sociais, simpatizantes do presidente Jair Bolsonaro (PL) tiraram de contexto um vídeo do empresário Elon Musk ao lado do político alemão Armin Laschet. O material afirma que o bilionário elogiava a motociata organizada no dia 15 de abril, em São Paulo, com participação do presidente. A informação é falsa. O conteúdo original é uma entrevista sobre fabricação de carros elétricos da empresa Tesla, da qual Musk é cofundador. O material que viralizou nas redes foi acrescido de legendas falsas. 

Até a data de publicação desta reportagem, o vídeo com legendas falas acumulava mais de 22 mil interações nas redes sociais, segundo a plataforma CrowdTangle. Ao analisar as imagens com a ferramenta InVID, foi possível identificar que a fala de Musk foi publicada pela agência de notícias Reuters, no dia 13 de agosto de 2021.

O post viral apresenta legendas traduzidas do inglês para o português erroneamente. O vídeo atribui ao empresário falas sobre a motociata como um ato “lotado de motos” e não “um deserto”. Na verdade, a pauta central da conversa era a expectativa da Tesla em fabricar os primeiros carros em sua ‘megafábrica’ em Grünheide, município próximo a Berlim, na Alemanha

Segundo a Reuters, a fábrica está localizada em uma zona de proteção de água potável e faz fronteira com uma reserva natural. Quando questionado sobre as preocupações com a água, o empresário foi taxativo. “Esta região tem tanta água, olhe ao seu redor. Tem água em todos os lugares aqui. Isso parece um deserto para você? Chove muito”, comentou o bilionário. Esta fala é a mesma tirada de contexto para ser usada como elogio à motociata organizada por bolsonaristas na capital paulista. 

Recentemente, outro boato em que o empresário teria dito que o ato em defesa do presidente foi “o maior do planeta” foi desmentido pela Agência Lupa


Este boato foi checado por aparecer entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e a dados sobre sua viralização em razão de uma parceria com a rede social. Quando nossas verificações constatam que uma informação é enganosa, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Usuários da rede social e administradores de páginas recebem notificações se tiverem publicado ou compartilhado postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado a quem quiser postar um conteúdo que tiver sido sinalizado como inverídico anteriormente.

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook  é obter certificação da International Fact Checking Network (IFCN), o que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige das entidades certificadas que assinem um código de princípios e assumam compromissos em cinco áreas:  apartidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência do financiamento e organização; transparência da metodologia; e política de correções aberta e honesta. O comprometimento com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.