É verdadeiro vídeo publicado por Bolsonaro e que mostra comboio levando alimentos para Araraquara
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

É verdadeiro vídeo publicado por Bolsonaro e que mostra comboio levando alimentos para Araraquara

Ajuda foi enviada por indicado de Bolsonaro na Ceagesp; prefeito da cidade chamou ação de 'elogiável', mas criticou o que considerou ser oportunismo político em sua realização

Projeto Comprova

06 de maio de 2021 | 18h51

Esta checagem foi produzida por jornalistas da coalizão do Comprova. Leia mais sobre nossa parceria aqui.

  • Conteúdo verificado: Vídeo mostra um comboio de veículos da Polícia Militar de São Paulo e caminhões do Exército brasileiro. A legenda diz que se trata de comboio saindo da Ceagesp, na capital, levando alimentos para a cidade de Araraquara, no interior.

É verdadeiro que um vídeo publicado nas redes sociais do presidente Jair Bolsonaro mostre um comboio levando alimentos para serem doados a populações carentes da cidade de Araraquara, no interior paulista. A ação foi articulada pela Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp), e foi viabilizada com apoio logístico do Comando Militar do Sudeste, do Exército brasileiro, e da Polícia Militar de São Paulo. O diretor-presidente da Ceagesp é o coronel da reserva da Polícia Militar, Ricardo Augusto Nascimento de Mello Araújo. Ele foi indicado pessoalmente pelo presidente Jair Bolsonaro ao cargo.

A cidade de Araraquara se destacou por ser a primeira cidade paulista com mais de 100 mil habitantes a proibir a circulação de veículos e pessoas ao longo do dia, a não ser em casos excepcionais. O lockdown rígido durou 10 dias e foi adotado após um aumento expressivo no número de mortes e casos causados pela circulação da variante de Manaus. Todos os estabelecimentos foram fechados, com exceção de unidades de saúde de urgência e emergência. Supermercados só podiam funcionar no modo delivery.

Nas redes sociais, o prefeito de Araraquara, Edinho Silva (PT), chamou a ação de “elogiável”, mas criticou o que considerou ser oportunismo político em sua realização. Ele disse que a prefeitura e as entidades da cidade já prestam o apoio necessário e que “isso é feito todos os dias, não só num dia para criar imagem, viralizar imagem”.

Na postagem checada pelo Comprova, o presidente Jair Bolsonaro escreveu que os alimentos iriam para “aqueles que perderam renda vitimados pela política do ‘fique em casa que a economia a gente vê depois’”, fazendo referência às medidas de fechamento da economia como forma de isolamento social. Bolsonaro é contra qualquer medida de restrição nesse sentido, embora seja comprovado que elas impedem que a pandemia saia de controle ao cortar a cadeia de transmissão do vírus.

Foto: Reprodução

Como verificamos?

O primeiro passo foi buscar as informações nos canais oficiais da prefeitura de Araraquara, do Comando Militar do Sudeste e da Ceagesp. Também buscamos reportagens em veículos de imprensa profissionais que pudessem dar o contexto dos fatos checados.

Entramos em contato com as assessorias de comunicação do Exército e da Ceagesp, mas não tivemos resposta até a publicação desta checagem.

Verificação

A ação da Ceagesp

A Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp) é uma empresa pública federal, vinculada ao Ministério da Economia. Ela faz a ponte entre os produtores agrícolas e a ponta do comércio. Conta com centros de armazenagens e entrepostos para venda dos alimentos.

Em nota publicada em seu site, a Ceagesp anuncia o comboio como uma “ação social” que visa ajudar cidades prejudicadas pela pandemia. No Twitter da companhia, é possível ver que ações semelhantes já destinaram mantimentos para as cidades de Potim e Roseira, no interior paulista, para dois hospitais da capital e para uma tribo indígena na região metropolitana de São Paulo. Esta última também foi elogiada por Bolsonaro no Twitter.

A ação para beneficiar Araraquara foi realizada em 29 de abril. Os alimentos foram doados pelos comerciantes do entreposto da capital e de unidades do interior, mas também por quaisquer pessoas físicas ou empresas que desejaram participar. Foram colhidas 100 toneladas de frutas, verduras, legumes e cestas básicas, de acordo com o próprio diretor-presidente Ricardo Mello Araújo.

É possível ver fotos e vídeos do comboio de caminhões do Exército levando os alimentos no Twitter oficial do Comando Militar do Sudeste (CMSE). Ele saiu do entreposto na capital às 3h30.

Nas redes sociais, Mello Araújo diz que a ação em Araraquara foi motivada por pedidos de entidades da cidade e por vídeos enviados pela própria população. “Me estranhou que nessa operação não houve pedido da prefeitura nem de vereadores. Os pedidos são da população”, comentou. Ele também fala que “Araraquara foi fechada num lockdown muito severo e a cidade está passando grande necessidade”.

É possível ver imagens da ação nas redes sociais. Em um dos vídeos, uma mulher que seria uma das beneficiadas agradece e diz que “esse alimento vem em um momento de muita necessidade. É a hora mais certa do que nunca para ajudar a gente”.

Embora a pandemia tenha atingido desproporcionalmente as populações mais vulneráveis e os trabalhadores informais, a região de Araraquara conhece os problemas da vulnerabilidade social há muito tempo antes da pandemia. O Comprova encontrou uma reportagem do jornal Folha de São Paulo, de 1999, que dizia que 6,77% da população vivia em situação de indigência. Já o portal G1 noticiou que em 2013, 0,6% da população vivia em situação de miséria.

A ação da Ceagesp não contou com o apoio da prefeitura de Araraquara. Em vídeo publicado nas redes sociais, o prefeito Edinho Silva (PT) chamou a ação da Ceagesp de “elogiável”, mas não poupou críticas e falou que ela foi feita para “criar imagens”.

“Todos os alimentos que foram distribuídos poderiam chegar às mesmas famílias utilizando as redes existentes, as entidades assistenciais e a rede pública. E as pessoas não precisariam se expor ao sol e a horas de fila. Sendo filmadas, sendo expostas”, falou.

Citando o número de 250 toneladas doadas pela prefeitura em 2020, Edinho Silva argumentou que a cidade tem uma rede de apoio às populações carentes, seja por meio da assistência social, seja por meio de entidades. Como mostrou o UOL Confere, é possível encontrar informações de doações de alimentos no site da prefeitura desde ao menos 2017. “Isso é feito todos os dias, não só num dia para criar imagem, viralizar imagem. Esse é o conceito: viralizar imagens que não refletem a realidade”, opinou.

Araraquara teve lockdown rígido

Araraquara é uma cidade do interior paulista, distante cerca de 250 km da capital. Sua população estimada pelo IBGE em 2020 era de 238 mil habitantes. Seu prefeito é o petista Edinho Silva, ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social no segundo mandato de Dilma Rousseff.

A cidade paulista foi a primeira com mais de 100 mil habitantes a proibir a circulação de veículos e pessoas ao longo do dia, a não ser em casos excepcionais. A medida foi necessária depois que a cidade viu os números de mortes e novas contaminações subirem muito rapidamente. Foi detectada no município a nova variante de Manaus, mais contagiosa, o que teria contribuído para a velocidade de contaminação.

O isolamento mais rígido começou em 21 de fevereiro, e terminou em 2 de março. No total, a população ficou sob as condições mais rígidas durante 10 dias, considerando-se um período de abertura gradual a partir do dia 27.

Durante o período mais rígido, era liberado apenas o funcionamento de farmácias e unidades de saúde e emergência. Os supermercados podiam funcionar apenas por meio de delivery, o transporte público foi interrompido e todas as atividades comerciais foram barradas, com exceção da área da segurança. Ao fim do lockdown, o município voltou para as regras de restrição do Plano São Paulo, o plano estadual de controle da atividade econômica.

No primeiro dia de lockdown, a cidade tinha ocupação de 97% dos leitos de enfermaria e 98% dos leitos de UTI (públicos e privados). Eram 218 pacientes internados, sendo 155 em leitos de enfermaria e 63 de UTI. Destes, 180 eram moradores de Araraquara e 38 de outros municípios, transferidos para lá.

Dezesseis dias depois do fim do lockdown rígido, o número de internados baixou para 175. Os índices de ocupação caíram para 67% dos leitos de enfermaria (175 pacientes) e 84% de UTI (74 pacientes). Destes, 125 eram moradores de Araraquara e 50 transferidos de outros municípios.

Nesta quarta-feira, 5, o município tinha taxa de ocupação de 60% dos leitos de enfermaria (98 pacientes) e 90% dos leitos de UTI (83). Destes, 86 eram moradores da cidade e 95 eram de outros municípios.

As medidas de restrição da locomoção e da atividade comercial popularmente conhecidas como lockdown reduzem a expansão da pandemia na medida em que interrompem a cadeia de transmissão do vírus. A Organização Mundial da Saúde reconhece os impactos negativos para a economia e a sociedade, mas afirma que alguns países não tiveram outra opção que não “decretar lockdown para ganhar tempo”. Por isso, ela reforça que a medida seja adotada quando e onde for necessária, considerando-se a situação de cada local.

A Ceagesp e o coronel Araújo Mello

O coronel da reserva da Polícia Militar, Ricardo Augusto Nascimento de Mello Araújo, foi indicado pessoalmente pelo presidente Jair Bolsonaro ao cargo de diretor-presidente da Ceagesp. Quando na ativa, foi comandante da tropa das Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota), unidade de elite da PM de São Paulo.

Com o coronel da reserva no comando, a Ceagesp se tornou o principal reduto bolsonarista em São Paulo. Em janeiro, o local sediou um protesto contra o aumento de impostos de alimentos anunciado e posteriormente revogado pelo governador João Doria (PSDB), um dos principais rivais políticos de Bolsonaro. Na ocasião, também houve a doação de 60 toneladas de alimentos à população. Houve aglomeração e confusão devido à grande quantidade de pessoas.

Ainda em 2020, o governo de São Paulo discutia com a Secretaria de Desestatização, do Ministério da Economia, a transferência da Ceagesp da Zona Oeste da capital para outro terreno próximo ao complexo viário do Rodoanel Mário Covas, além da privatização do terreno atual. O gesto acabou desautorizado por Bolsonaro, que disse que “nenhum rato vai privatizar isso aqui para beneficiar seus amigos”.

Por que investigamos?

Em sua 4ª fase, o Comprova verifica conteúdos de redes sociais ligados à pandemia de coronavírus e a ações do governo federal. Damos prioridade para conteúdos que estejam sendo amplamente compartilhados ou que possam causar dano à saúde ou à vida das pessoas.

O presidente Jair Bolsonaro tem forte presença nas redes sociais e suas publicações alcançam um grande número de pessoas. O vídeo do comboio com destino a Araraquara foi visto ao menos 169 mil vezes no YouTube. Já no Twitter recebeu 38,8 mil reações até a publicação deste texto.

A aplicação de medidas de isolamento social tem sido muito politizada devido aos seus impactos econômicos, sociais e de saúde — por isso, é alvo de desinformação nas redes sociais. Dessa forma, é necessário checar mesmo as postagens feitas por autoridades. O Comprova já checou uma postagem da deputada Bia Kicis (PSL-DF) na qual o posicionamento da OMS sobre isolamento social foi tirado de contexto para apoiar falas de Bolsonaro.

Comprovado, para o Comprova, é o conteúdo original publicado sem edição e que mostre um fato ou evento que tenha sido confirmado.

Tudo o que sabemos sobre:

fake news [notícias falsas]jair bolsonaro

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.