É falso que governadora do RN tenha ordenado distanciamento entre carros
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

É falso que governadora do RN tenha ordenado distanciamento entre carros

Vídeo que viralizou nas redes sociais mostra medida adotada temporariamente em estacionamento de loja de Natal

Guilherme Bianchini, especial para o Estado

16 de setembro de 2020 | 13h07

É falso que a governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra (PT), tenha ordenado distanciamento entre carros em estacionamentos do Estado. A petista desmentiu em seu Twitter os boatos que circulam em redes sociais e acrescentou que a responsabilidade sobre estacionamentos não é do governo, e sim da Secretaria de Transporte e Trânsito Urbano (STTU).

Nas redes sociais, viralizou um vídeo que mostra separações entre carros no estacionamento de uma loja em Natal, capital do Estado. Um homem afirma que “a governadora Fátima Bezerra ordenou distanciamento social para veículos”. A gravação original é de abril, mas o conteúdo voltou a ganhar alcance no Facebook em uma publicação de 5 de setembro, que já teve cerca de 3 mil compartilhamentos e mais de 80 mil visualizações.

Distanciamento entre carros em estacionamento de Natal não foi por ordem da governadora. Foto: Reprodução

O estacionamento do vídeo pertence à rede de lojas Leroy Merlin. Em resposta ao Estadão Verifica, a empresa esclareceu que adotou a medida, na ocasião, para haver “maior espaço para quando as pessoas desciam ou entravam em seus carros ao mesmo tempo”. A ação, porém, durou pouco tempo, pois a empresa concluiu que não era necessária. Não houve interferência do governo ou da STTU em nenhuma das decisões.

Fátima Bezerra já foi alvo de vários outros boatos nas redes sociais. Em agosto, o Estadão Verifica mostrou que um vídeo sobre pacotes de alimentos enterrados em uma escola municipal de Natal foi tirado de contexto para atacar o governo estadual.

Este boato foi checado por aparecer entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e a dados sobre sua viralização em razão de uma parceria com a rede social. Quando nossas verificações constatam que uma informação é enganosa, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Usuários da rede social e administradores de páginas recebem notificações se tiverem publicado ou compartilhado postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado a quem quiser postar um conteúdo que tiver sido sinalizado como inverídico anteriormente.

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook  é obter certificação da International Fact Checking Network (IFCN), o que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige das entidades certificadas que assinem um código de princípios e assumam compromissos em cinco áreas:  apartidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência do financiamento e organização; transparência da metodologia; e política de correções aberta e honesta. O comprometimento com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: