É falso que Detroit tenha registrado voto de homem nascido em 1823
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

É falso que Detroit tenha registrado voto de homem nascido em 1823

Ação de 2019 contra autoridade eleitoral de cidade no Michigan é tirada de contexto para acusar fraude nas eleições norte-americanas

Pedro Prata

13 de novembro de 2020 | 16h12

É de 2019 um processo movido contra a cidade de Detroit, no estado de Michigan, por supostas irregularidades no registro de eleitores, como o cadastro de pessoas mortas e até de um homem nascido em 1823. A ação judicial foi resgatada em postagens nas redes sociais para contestar a vitória de Joe Biden nas eleições norte-americanas. Os posts enganam ao não deixar claro que o processo foi retirado depois que os erros foram corrigidos — quatro meses antes da votação.

Um leitor do Estadão Verifica pediu a checagem deste conteúdo por meio do WhatsApp (11 97683-7490).

Processo movido em 2019 foi retirado antes das eleições porque erros foram corrigidos. Foto: Reprodução

A imagem utilizada pelo boato foi tirada de uma reportagem do canal americano Fox News de 12 de dezembro de 2019. Segundo a emissora, a ação judicial teria encontrado 4.788 eleitores duplicados; 32.519 eleitores a mais do que seria possível; e 2.503 pessoas mortas registradas, sendo que uma delas teria nascido em 1823.

O processo foi movido em dezembro de 2019 pela Public Interest Legal Foundation, organização voltada à atualização dos cadastros eleitorais e contra a expansão do voto pelo correio — modalidade adotada de maneira recorde este ano por causa da pandemia de covid-19. Em um pronunciamento, eles falaram de desatualização dos dados.

Em junho de 2020, pouco mais de quatro meses antes das eleições presidenciais, a organização retirou a ação. Segundo ela mesma alegou, a comissão eleitoral “tomou medidas com relação à lista de pessoas mortas registradas e quase todos os registros de dados duplicados foram corrigidos”.

Documento

Joe Biden se tornou o 46º presidente eleito dos Estados Unidos após derrotar o republicano Donald Trump, que buscava a reeleição. Trump se recusa a conceder a vitória ao rival e acusa fraudes no processo eleitoral que até o momento não foram comprovadas. Michigan, onde fica Detroit, foi um dos estados-chave nas eleições porque em 2016 sua população havia votado em maioria para o republicano, mas este ano os democratas reconquistaram o eleitorado.

O Estadão Verifica já checou outros boatos envolvendo o estado. Peças de desinformação tiraram de contexto um erro de usuário no condado de Antrim para falsamente dizer que o software de tabulação dos votos teria problemas. Em outra ocasião, a foto de uma apreensão do FBI de 2019 também foi usada para acusar fraudes no estado de Michigan.

Este conteúdo também foi checado por Politifact e Agência Lupa.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.