Conheça alguns ‘boatos zumbis’, mentiras que nunca morrem
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Conheça alguns ‘boatos zumbis’, mentiras que nunca morrem

Apesar de notoriamente falsas, mensagens antigas ainda dominam boataria no WhatsApp

Alessandra Monnerat e Caio Sartori

21 Junho 2018 | 10h37

O aplicativo de mensagens WhatsApp. Foto: Webster2703/Pixabay

Mesmo desmentidos diversas vezes, alguns boatos antigos resistem e continuam a circular. É o caso destes três rumores selecionados pela equipe do Estadão Verifica. As mentiras foram enviadas com frequência por leitores ao nosso canal de comunicação no WhatsApp. Para enviar fotos, vídeos, áudios e textos para checagem, basta encaminhar a mensagem para o número (11) 99263-7900.

+ Recebeu algum boato pelo WhatsApp? Envie para o Estadão Verifica

Pessoas vestidas de branco estão passando vírus HIV em medição de glicose?

Não é verdade. O boato é antigo: foi desmentido em 2014 e 2016, mas voltou a viralizar no ano passado, com o jogo Baleia Azul. Segundo o texto mentiroso, a Polícia Militar e a Vigilância Sanitária teriam alertado que pessoas vestidas de branco estariam passando de casa em casa, alegando medir a taxa glicêmica dos moradores, com a intenção de transmitir o vírus HIV

+ Não era arrastão, mas protesto. Polícia explica vídeo da Radial Leste

Nada disso é verdadeiro. O alerta do qual fala a mensagem nunca foi feito. Na época em que o assunto bombou, várias prefeituras do Estado de São Paulo desmentiram a lenda urbana. Outro sinal de que o texto é mentiroso é a linguagem empregada. O boato fala de “aidéticos” — no entanto, a denominação é considerada pejorativa. O Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/AIDS (UNAIDS) rejeita o uso da palavra e recomenda os termos “pessoa vivendo com HIV”, “pessoa soropositiva”, “HIV positiva” ou “positiva”.

Sérgio Moro pediu voto nulo?

Um clássico dos boatos no WhatsApp é o texto em que Sérgio Moro supostamente pede para a população votar nulo em outubro. O pronunciamento do juiz, porém, nunca ocorreu. “Olá, amigos Patriotas! Aqui quem vos fala é o Juiz sergio Moro da lava jato. Hoje começo uma divulgação incansável no esclarecimento de como podemos acabar com os corruptos de carreira do nosso país!”, começa o texto.

+ Áudio sobre eleições no Tocantins cita número errado e ‘inventa’ regras eleitorais

A mensagem promete uma forma de “eliminar 90% dos políticos corruptos em uma única vez”: votando nulo. A alegação, no entanto, é falsa. O voto nulo em massa não anula a eleição. Quando a Justiça Eleitoral contabiliza os votos de um pleito, só são considerados os votos válidos — ou seja, os nulos são descartados. A única possibilidade de anulação de uma eleição é via Justiça Eleitoral, caso ela comprove alguma irregularidade no andamento do processo eleitoral ou nas candidaturas.

Roraima foi dominada pelos americanos?

Este é um boato pré-WhatsApp, que nasceu nas correntes por e-mail e acabou parando no aplicativo de mensagens instantâneas. Trata-se de um texto com diversas informações erradas sobre o Estado de Roraima, atribuído à professora aposentada da Universidade de São Paulo (USP) Mara Silva Alexandre Costa. A acadêmica já desmentiu o rumor várias vezes. Em entrevista ao ‘G1’, ela conta que repassou o e-mail em 2004 e, desde então, sua assinatura é vinculada ao relato enganoso. A professora chegou até mesmo a ser procurada pela Polícia Federal.

+ Crise na Venezuela estimula tráfico de armas na fronteira com Roraima

Uma das mentiras do texto é a de que 70% da área do Estado é composta por reservas indígenas. A proporção, na verdade, é bem menor: 46,2%, de acordo com o SIG/ISA (Instituto Socioambiental). Outra afirmação falsa é sobre a suposta livre circulação de americanos em Roraima. Como parte da federação, o Estado segue as mesmas regras de migração do restante do País.

O viral também afirma que só existe uma rodovia em Roraima — mas o Estado têm seis, que totalizam 1.481,93 quilômetros. Outra falsidade é dizer que não há indústrias ali. Na realidade, o setor corresponde a 8,69% do PIB estadual, segundo estimativa para o ano de 2017 da Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento de Roraima.