Para atacar Doria, campanha antivacina falseia informações sobre mortes de artistas

Para atacar Doria, campanha antivacina falseia informações sobre mortes de artistas

Entre dez personalidades retratadas em meme que circula nas redes, somente Tarcísio Meira morreu de covid-19 após completar esquema vacinal com Coronavac; este caso isoladamente não permite tirar conclusões sobre eficácia do imunizante

Alessandra Monnerat

19 de agosto de 2021 | 16h57

Circula nas redes sociais um meme com fotos de dez artistas que morreram entre 2020 e 2021, junto com a alegação falsa de que todos teriam tomado a vacina Coronavac contra a covid-19. Várias das personalidades retratadas ainda não estavam imunizadas — como os atores Nicette Bruno e Eduardo Galvão, além do humorista Paulo Gustavo. Outras faleceram de causas não relacionadas ao coronavírus — como a atriz Eva Wilma e o jornalista e escritor Artur Xexéo.

A imagem traz a frase “Obrigado Doria”, em referência ao governador de São Paulo. Leitores pediram a checagem deste conteúdo por WhatsApp, 11 97683-7490.

Artistas que receberam a coronavac

A Coronavac, produzida pelo Instituto Butantan em parceria com a farmacêutica Sinovac, passou por testes rigorosos que demonstraram sua segurança e eficácia, aprovados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Segundo a Anvisa informou ao Estadão Verifica recentemente, não foi registrada nenhuma morte relacionada às vacinas aplicadas no Brasil

Como mostrou esta checagem do Comprova, um estudo feito pelo Instituto Butantan na cidade de Serrana, no interior de São Paulo, vacinou cerca de 75% da população adulta e constatou queda de 80% nos casos sintomáticos de covid e de 86% nas internações, além da redução de mortes em 95%. Outra pesquisa, esta feita no Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo, apontou queda de 80% nos casos de covid-19 entre os 22 mil funcionários vacinados com a Coronavac.

Um dos artistas apresentados no meme, o ator Tarcísio Meira, morreu na semana passada vítima da covid-19, aos 85 anos. Ele já tinha recebido as duas doses da Coronavac, mas isso não quer dizer que a vacina seja ineficaz. Especialistas consultados pelo Estadão nesta reportagem explicam que não existem imunizantes 100% eficazes. Especialmente entre a população mais vulnerável, como idosos e imunodeprimidos, ainda há risco, ainda que consideravelmente minimizado pela injeção.

Meme retrata artistas que não foram vacinados

Vários dos artistas que aparecem no conteúdo analisado ainda não tinham sido vacinados. É o caso do ator Eduardo Galvão, que morreu de covid-19 em 7 de dezembro de 2020, aos 58 anos. Também naquele mês, no dia 20, faleceu Nicette Bruno, aos 87 anos, de complicações em decorrência do novo coronavírus. A vacinação só teve início no Brasil em 17 de janeiro de 2021

Outras personalidades não chegaram a ser vacinadas por causa da ordem de prioridade de faixa etária. O humorista Paulo Gustavo, de 42 anos, foi um caso emblemático. Ele morreu em 4 de maio, após dois meses internado com a covid-19. Pessoas nessa faixa etária só seriam vacinadas em julho na cidade do Rio. Um levantamento feito pela empresa de análise de dados Ap Exata indicou que a reação ao falecimento do ator nas redes sociais envolveu comoção e revolta quanto à demora na compra de vacinas pelo governo federal.

Outro exemplo é o do bailarino e coreógrafo Ismael Ivo, que morreu por complicações em decorrência da covid-19 em 8 de abril, aos 66 anos. Ele ficou internado por um mês em São Paulo — o Estado só começaria a vacinar pessoas nessa idade no dia 21 de abril.

João Acaibe, que ficou conhecido por interpretar o Tio Barnabé no Sítio do Picapau Amarelo, faleceu no dia 1º de abril, aos 76 anos. Ele foi diagnosticado com covid-19 no dia 15 de março. Nesta mesma data, idosos daquela idade começaram a ser vacinados no Estado de São Paulo. Os imunizantes em uso no País, incluindo a Coronavac, garantem a proteção completa apenas 15 dias depois de terminado o esquema vacinal. A família do ator não divulgou se ele já havia sido imunizado e com qual vacina. 

Imagem também mostra artistas que morreram de causas não relacionadas ao coronavírus

O meme analisado insinua que a Coronavac não é eficaz em proteger mortes pela covid-19. Mas algumas das personalidades retratadas não morreram por causa do coronavírus. A atriz Eva Wilma, por exemplo, foi vítima de câncer no ovário em 15 de maio, aos 87 anos. Ela estava internada desde 15 de abril, inicialmente para tratar de problemas cardíacos e renais.

O escritor Artur Xexéo, falecido em 25 de junho, teve uma parada cardíaca. Ele tinha sido diagnosticado com um linfoma não Hodgkin de células T, um câncer que tem origem nas células sistema linfático – parte do sistema imunológico. O ator e diretor Paulo José morreu no dia 11 de agosto, após 20 dias internado com pneumonia. Ele tinha 84 anos.

O humorista e dublador Orlando Drummond, de 101 anos, foi um dos primeiros a se vacinar na cidade do Rio, em uma cerimônia no Palácio da Cidade. Ele foi internado em junho para tratar de uma infecção urinária. O artista teve alta e passou a ser tratado em casa, onde morreu no dia 27 de julho por falência múltipla de órgãos. 

O Estadão Verifica não checou quais vacinas esses artistas receberam. De qualquer forma, a única personalidade retratada no meme que de fato morreu por covid-19 mesmo após receber a Coronavac é o ator Tarcísio Meira. No entanto, esse caso isoladamente não permite tirar conclusões sobre a eficácia da vacina.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.