Weintraub produz mais uma cortina de fumaça

Weintraub produz mais uma cortina de fumaça

Coluna do Estadão

20 de junho de 2020 | 05h00

Abraham Weintraub. FOTO: SERGIO LIMA/AFP

Mesmo fora da Esplanada, Abraham Weintraub continua prestando serviços a Jair Bolsonaro: no dia em que o Brasil bateu 1 milhão de casos confirmados/oficiais de covid-19, o ex-ministro da Educação agitou as redes sociais e mobilizou atenções com o lançamento de uma “candidatura” ao governo de São Paulo. Rapidamente, a isca foi mordida pelos adversários do presidente e o balão de ensaio provocativo virou um palanque digital para Weintraub ajudar Bolsonaro a tentar se esquivar, por mais um dia, dessa nova triste marca do País na crise.

Vento virou? Na quinta-feira passada, a demissão de Weintraub por Bolsonaro não foi suficiente para virar o jogo midiático diante da relevância da prisão de Fabrício Queiroz. Passado o susto, no entanto, a tag #weintraubgovernador se manteve em alta o dia todo no Twitter.

Desenhando. Para quem ainda tem dificuldade de entender o bolsonarismo e a importância de sua guerrilha cultural, o episódio é ilustrativo. Na explicação de um especialista em mídias eletrônicas, a “candidatura” de Weintraub tem nariz de fake news, boca de fake news, corpo de fake news, mas não pode ser chamada de fake news.

Balão. Weintraub pode até vir a disputar o Palácio dos Bandeirantes em 2022, claro. Levar a sério a candidatura neste momento, porém, é desviar o foco. Ah, as críticas à (fraca) gestão dele na Educação também ficaram em segundo plano.

Peça-chave. Para quem acompanha de dentro as investigações do Ministério Público do Rio, Queiroz pode conectar peças que estão faltando em vários inquéritos em curso neste momento. O ex-assessor do clã Bolsonaro é TNT pura.

Sigilo. O governador João Doria (PSDB) ficou sabendo da operação da polícia paulista que prendeu Fabrício Queiroz em Atibaia (SP) momentos antes de ela acontecer.

SINAIS PARTICULARES.
Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro

ILUSTRAÇÃO: KLEBER SALES/ESTADÃO

Pesos-pesados. O presidente do STF, Dias Toffoli, e o ex-ministro Nelson Jobim participam hoje de live do Prerrogativas (11h30, no canal de YouTube do grupo jurídico). Na pauta, o papel do Supremo para manter a estabilidade democrática.

CLICK. O grupo Prerrogativas faz hoje (21h) live cultural (YouTube), com Julia Giovannetti, Cesar Pimentel e cia. Apresentação de Luciana Worms e Pedro Carriello.

FOTO: COLUNA DO ESTADÃO

Resta… Em plena pandemia, o Porto de São Sebastião, no litoral de São Paulo, teve aumento de quase 4% na movimentação de cargas. Entre março e maio deste ano, foram 144 mil toneladas ante 139 mil no mesmo período de 2019.

…esperança. Uma novidade do porto, tradicional no escoamento de bovinos e de grãos e administrado pela Companhia Docas, do governo de SP, foi a retomada, depois de 15 anos, do transporte de açúcar para exportação: 75 mil toneladas. A ação gerou cerca de 400 empregos e teve o primeiro carregamento com destino a Gâmbia (África).

Figa. O secretário João Octaviano (Logística e Transportes) estima que a commodity atinja mais 200 mil toneladas neste ano.

Refresco. O deputado João Henrique Caldas, o JHC, propôs projeto  para dilatar prazos para execução orçamentária de municípios, Estados e a União, todos passando perrengue.

Refresco 2. A ideia é que a execução possa ocorrer em exercícios distintos do que originalmente convencionado para não comprometer a capacidade administrativa dos entes, especialmente no pós-pandemia.

BOMBOU NAS REDES!

Janaina Paschoal. FOTO: SERGIO CASTRO/ESTADÃO

Janaina Paschoal, deputada estadual (PSL-SP): “Foi um acerto tirar o ministro Abraham Weintraub do MEC. Infelizmente, ele não entende nada de Educação, mas criminoso o homem não é!”

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG

Coluna do Estadão:
Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.