Suspeição de Moro com Lula fora das eleições

Suspeição de Moro com Lula fora das eleições

Coluna do Estadão

31 de janeiro de 2021 | 05h00

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva discursa em frente à sede da PF em Curitiba, após ser solto Foto: CARL DE SOUZA / AFP

Ganha corpo no meio jurídico tese alternativa capaz de cravar a suspeição de Sérgio Moro, porém sem devolver os direitos políticos a Luiz Inácio Lula da Silva. No STF, por exemplo, alguns ministros entendem que, pelo fato de a condenação do ex-presidente no caso do sítio em Atibaia ter sido assinada pela juíza Gabriela Hardt, a eventual suspeição do ex-juiz da Lava Jato não anularia esse veredicto, apesar de Moro ter tocado parte do processo: Lula permaneceria barrado das eleições. O caso deve ser julgado ainda neste semestre no Supremo.

Para lembrar. Moro aceitou a denúncia da Lava Jato em agosto de 2017, mas deixou a magistratura em novembro de 2018 para assumir cargo no governo Bolsonaro. A condenação saiu em fevereiro de 2019.

A ver. A expectativa na Segunda Turma, onde se encontra o caso, é que Kassio Nunes Marques será decisivo. Circulam três hipóteses para o voto dele: 1) acompanharia a tese alternativa; 2) votaria 100% a favor de Lula; 3) pediria vista para ganhar tempo.

Radicais. Entre bolsonaristas, é grande o desejo de ter Lula na eleição de 2022 para forçar uma polarização com o presidente.

Vira-vira? A cada nova divulgação de mensagens trocadas entre Deltan Dallagnol e Sérgio Moro aumenta a expectativa quanto ao voto da ministra Cármen Lúcia, também na Segunda Turma do Supremo.

Para lembrar 2. O TRF-4 confirmou, maio de 2019, a condenação do ex-presidente a 17 anos e um mês de prisão no caso do sítio.

SINAIS PARTICULARES.
Celso de Mello, ex-ministro do STF

Kleber Sales

Memória. O ministro aposentado Celso de Mello doou a biblioteca com 12 mil livros de seu antigo gabinete a um amigo de infância de Tatuí (SP), sua terra natal, mas fez questão de guardar consigo a toga usada nas sessões do STF.

Memorabilia. “É a mesma velha toga que usei até o fim e que me protegeu, em favor da comunidade, como indevassável escudo assegurador de minha independência funcional e de minha liberdade decisória nos julgamentos de que participei ao longo dos 31 anos em que integrei o STF”, disse o ministro à Coluna.

Com… O apresentador Luciano Huck já acumula convites de cinco partidos para ingressar de vez na política: Cidadania, DEM, PSD, PSDB e Podemos.

…quem… O do PSD é o mais recente. Dirigentes do partido de Gilberto Kassab tentam atrair Luciano Huck oferecendo a ele a certeza de que será candidato a presidente no ano que vem.

…andas. Na leitura do entorno de Huck, pesa contra o Cidadania e Podemos o fato de serem partidos menores. No PSDB, o convite é mais antigo e já foi deixado de lado porque João Doria e Eduardo Leite são, por ora, presidenciáveis. Ou seja, Huck está mais perto do DEM mesmo.

CLICK. No final de semana que antecede a eleição na Câmara, faixas da campanha de Baleia Rossi (MDB-SP), em frente ao Congresso, apareceram rasgadas.

Coluna do Estadão

Rubrica. Após a conclusão da edição de ontem da Coluna, o deputado federal Arthur Lira (PP-AL) assinou documento Movimento Pra Ser Justo, que tem como finalidade lutar por uma tributação mais simples, transparente e justa.

No aguardo. O senador Rodrigo Pacheco(DEM-MG), diferentemente do que afirmou a Coluna, ainda não havia assinado o texto.

PRONTO, FALEI!

Marco Vinholi, secretário do governo de São Paulo: “Alinhada às ideias de Bolsonaro e ignorando os esforços do Estado, parece que a prefeita Suéllen não tem medo de transformar Bauru na nova Manaus.”

COM REPORTAGEM DE ALBERTO BOMBIG, MARIANA HAUBERT E MARIANNA HOLANDA. COLABOROU RAFAEL MORAES MOURA.

Twitter: @colunadoestadao
Facebook: facebook.com/colunadoestadao
Instagram: @colunadoestadao

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.